Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 21 de agosto de 2017. Atualizado às 19h34.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

energia

Alterada em 21/08 às 19h37min

Jucá sobre Cemig: é importante que se construa uma saída

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), disse nesta segunda-feira (21), que o governo está discutindo a situação da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) e que é importante que se construa uma saída que contemple tanto os pedidos de parlamentares mineiros, como a equipe econômica. "Nós estamos discutindo, o Ministério de Minas e Energia está tentando construir junto com PPI (Programa de Parceiras de Investimentos), com o Bndes e o Planejamento uma saída, é muito importante que se construa uma saída", afirmou.
"A gente entende que é uma prioridade para Minas Gerais, mas também há necessidade de arrecadação e de equilíbrio do caixa do governo", afirmou, no Palácio do Planalto. "Se ponderarmos esses dois pontos e conseguirmos uma construção, que é possível de acontecer, teremos uma solução que atenderá todos", disse.
Nesta segunda-feira (21), em nota, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) afirmou que vai enviar uma proposta de Medida Provisória (MP) ao Ministério do Planejamento ainda nesta segunda-feira, para permitir que o Bndes financie a Cemig. O objetivo do parlamentar é tentar evitar o leilão no qual será oferecida a concessão de quatro hidrelétricas operadas atualmente pela estatal de energia, previsto para o próximo mês
A área econômica do governo conta com as receitas de outorga das quatro usinas, fixadas num mínimo de R$ 11,05 bilhões, para reforçar a arrecadação deste ano. A licitação está marcada para setembro. No entanto, a medida conta com a oposição da bancada mineira, que quer encontrar uma forma de deixar as usinas com a Cemig. Esse teria sido o tema de um encontro de Temer com o presidente afastado do PSDB na última sexta-feira.
Jucá rechaçou que a pressão de Aécio pela Cemig esteja relacionada também à crise interna do PSDB, que tem uma ala que quer o desembarque do governo. "O caso da Cemig é uma questão brasileira, uma questão mineira, que está acima de questões partidárias." "É algo que o governo está tentando resolver, porque entende a relevância para Minas Gerais, mas entende também que esses recursos são necessários para o equilíbrio do governo este ano", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia