Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 21 de agosto de 2017. Atualizado às 23h01.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado de Capitais

Notícia da edição impressa de 22/08/2017. Alterada em 21/08 às 21h09min

Dólar avança ante real e bolsa cai 0,12%

O dólar subiu com força na tarde de ontem diante de duas notícias desfavoráveis para o governo. A principal delas foi a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), acusado por crimes na Operação Zelotes, que apura fraudes no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf).
O movimento comprador, porém, se firmou um pouco antes em meio ao revés da equipe econômica depois que um desembargador do TRF-1 suspendeu o leilão de usinas da Cemig. Segundo especialistas do mercado, a decisão eleva a pressão em cima da equipe econômica, uma vez que está no centro do debate sobre o cumprimento da meta fiscal deste ano. A equipe econômica incluiu nas contas de 2017 a previsão de arrecadar R$ 11 bilhões com a venda das usinas.
No mercado à vista, o dólar terminou em alta de 0,79%, aos R$ 3,1697. O giro financeiro somou US$ 1,08 bilhão. No mercado futuro, o dólar para setembro subiu 0,51%, aos R$ 3,1715. O volume financeiro movimentado somou cerca de US$ 11,93 bilhões.
O mercado brasileiro de ações teve diferentes referências para operar, ora em alta, ora em queda. Os negócios ocorreram sob influência das commodities, do vencimento de opções sobre ações e do noticiário doméstico. No fechamento, o Ibovespa marcou 68.634 pontos, em baixa de 0,12%. Os negócios totalizaram R$ 11,795 bilhões, volume inflado pelos R$ 4,6 bilhões movimentados no exercício de opções sobre ações.
O sinal negativo da bolsa foi determinado em boa parte pelas ações da Petrobras, que refletiram as quedas superiores a 2% nos preços do petróleo nas bolsas de Nova Iorque e Londres, ainda em meio às preocupações de superoferta da commodity. Petrobras ON e PN terminaram o dia com baixas de 1,71% e 1,91%, respectivamente.
As ações da Cemig também se destacaram em baixa (-1,98%), devido à suspensão do leilão das usinas da empresa. Já a alta de 2,55% do minério de ferro no mercado à vista chinês favoreceu os ganhos da Vale, que foram de 0,63% (ON) e de 0,65% (PNA remanescentes) e amenizaram as perdas na bolsa de valores.
.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia