Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 21 de agosto de 2017. Atualizado às 17h19.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Imobiliário

Alterada em 21/08 às 17h22min

Queda no preço dos imóveis residenciais no País acelera para 0,19% em julho

Queda nos preços foi verificada em cinco das nove capitais pesquisadas

Queda nos preços foi verificada em cinco das nove capitais pesquisadas


TENDA/DIVULGAÇÃO/ARQUIVO/JC
O preço médio dos imóveis residenciais no País recuou 0,19% em julho na comparação com junho. A queda foi mais forte do que em junho, quando a retração atingiu 0,09% na comparação com maio. Os dados são de pesquisa divulgada nesta segunda-feira (21) pela Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip). O levantamento apura os dados em nove capitais, a partir do laudo feito pelos bancos para os imóveis que foram comercializados mediante liberação de financiamento.
Em julho, a queda nos preços foi vista em cinco das nove capitais que fazem parte da pesquisa. Entre os recuos aparecem Fortaleza (-0,10%), Recife (-0,16%), Porto Alegre (-0,16%), Belo Horizonte (-0,52%) e Rio de Janeiro (-1,14%). Nas quatro outras cidades, foram registradas altas nos preços médios: Goiânia (0,07%), Curitiba (0,08%), São Paulo (0,18%) e Salvador (0,21%). No acumulado dos primeiros sete meses do ano, os preços mostraram queda de 0,76%. Já nos últimos 12 meses encerrados em julho, houve retração de 1,48%.
Em nota, a Abecip avalia que a recuperação dos preços dos imóveis residenciais no Brasil continua de forma lenta, ainda sob a forma de desaceleração do ritmo de queda nos preços nominais no acumulado do ano. "Alguns fatores importantes atuam na direção de favorecer alguma recuperação no ritmo dos negócios do setor imobiliário, como a trajetória de queda sustentável de juros, os sinais de redução do comprometimento da renda das famílias com o pagamento de empréstimos anteriores, e o início da recuperação dos níveis de emprego", afirmou a associação.
Entretanto, a Abecip pondera que uma retomada dos preços ainda deve levar algum tempo, devido ao contexto marcado por incertezas que dificultam decisões mais sensíveis a condições de longo prazo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia