Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de agosto de 2018.
Dia do Maçom.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

O Futuro da Terra

Edição impressa de 21/08/2017. Alterada em 20/08 às 16h09min

Recuperar áreas degradadas desafia pesquisadora da UFPel

Flávia Fontana Fernandes é reconhecia por pesquisas sobre preservação ambiental

Flávia Fontana Fernandes é reconhecia por pesquisas sobre preservação ambiental


ARQUIVO PESSOAL/DIVULGAÇÃO/JC
Recuperar áreas degradadas por mineração em regiões como Candiota, na região da Campanha gaúcha, não é uma tarefa fácil. A mineração danifica o solo e praticamente o inutiliza para a vida vegetal. O desafio foi aceito pela coordenadora do projeto de Recuperação de Áreas Degradadas da UFPel, Flávia Fontana Fernandes.
Depois de trabalhar por seis anos, no Paraná, com pesquisa em agropecuária e manejo de fertilidade, Flávia acabou direcionando ações no sentido de desenvolver estratégias para recuperar espaços inviabilizados pela agricultura, em razão do manejo inadequado do solo e pela mineração. "No caso específico de Candiota, que concentra boa parte das minas de carvão no Estado, foi necessário um grande planejamento, que incluiu a capacitação de material humano", lembra a professora.
Como a mineração do carvão em Candiota é a céu aberto, o trabalho consiste em retirar da superfície o solo degradado e reconstituir a tipografia da área para que a paisagem volte ao mais próximo do que era orginalmente. Refazer a configuração de uma extensão de terra com a posição de todos os seus acidentes naturais é um desafio para Flávia e sua equipe. "Nós refazemos a topografia removendo solos e colocando novas camadas em cima da área degradada", explica ela.
Nesse contexto, conta-se com uma série de cuidados ambientais. O manejo tem que ser feito com cuidado. Na área de mineração é comum a presença de pirita, um mineral que, em contato com a água e o ar, pode formar ácido sulfúrico, fazendo com que haja uma acidificação muito grande do solo, podendo refletir na qualidade da água em torno do local. De acordo com a pesquisadora, em função disso, há um cuidado muito grande para se evitar problemas com esse mineral.
Os trabalhos, portanto, são voltados à recuperação da fertilidade do solo, cujos danos podem ser causados até mesmo pela compactação de espaços gerada pelo trânsito de máquinas ou pela formação de trilhas. A recuperação da parte superficial do solo, a mais rica em matéria orgânica - o chamado banco de sementes - é o que garante que, depois do manejo adequado, a vegetação nativa surja novamente.
Homenageados em 2017
PRÊMIO ESPECIAL
Luiz Carlos Federizzi - Ufrgs
CADEIAS DE PRODUÇÃO E ALTERNATIVAS AGROPECUÁRIAS
Aproccima
Geovano Parcianello - Irga
Jorge Tonietto - Embrapa
INOVAÇÃO, TECNOLOGIA RURAL E EMPREENDEDORISMO
Julio Otavio Jardim Barcellos - Ufrgs
SIA - Serviço de Inteligência em Agronegócio
Homero Bergamaschi - Ufrgs
Maria do Carmo Bassols Raseira - Embrapa
Antonio Folgiarini de Rosso - Irga
PRESERVAÇÃO AMBIENTAL
Cimélio Bayer - Ufrgs
Alianza del Pastizal - BirdLife International
Flávia Fontana Fernandes - UFPel
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia