Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 18 de agosto de 2017. Atualizado às 08h09.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 18/08 às 08h13min

Petróleo opera em leve alta, apoiado por câmbio e com foco nos estoques dos EUA

Os contratos futuros de petróleo operavam em alta modesta na manhã desta sexta-feira. O dólar um pouco mais fraco colaborava para o movimento, enquanto investidores monitoravam os estoques dos Estados Unidos.
Às 7h47min (de Brasília), o petróleo WTI para outubro subia 0,34%, a US$ 47,40 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para outubro avançava 0,22%, a US$ 51,14 o barril, na ICE.
Investidores ainda reagiam a novos dados desta semana, segundo os quais houve queda de cerca de 9 milhões de barris nos estoques dos EUA na última semana. Com isso, o recuo total desde março nos estoques da commodity no país atingiu 69 milhões.
"Os preços deveriam ser US$ 10 mais altos diante dos fundamentos", afirmou Amrita Sen, analista-chefe de petróleo da Energy Aspects, consultoria de pesquisas no setor de energia. Sen aponta, porém, que o preço do barril é contido pelas preocupações com a produção ainda em alta dos EUA. Ela disse que o mercado tomou nota também do fato de que a produção americana aumentou 79 mil barris por dia na última semana, para 9,502 milhões de barris por dia.
"O mercado está tão obcecado com a oferta. Se a produção dos EUA subir e os estoques recuarem, isso é um acontecimento extremamente favorável para os preços", disse a analista, enfatizando o aumento na demanda.
Ao mesmo tempo, os preços reagiam também um dia após um incêndio na refinaria Deer Park, no Texas, da Royal Dutch Shell, que poderia ficar pelo menos uma semana paralisada para reparos. A corretora PVM Associates diz que essa notícia ajuda a sustentar os preços dos produtos refinados e influi no restante do setor. O problema na refinaria é o segundo para a Shell em cerca de três semanas, após o fechamento da refinaria Pernis, em Roterdã, a maior da Europa, por causa de um incêndio em uma estação elétrica de alta voltagem. A refinaria desde então tem avançado para reiniciar algumas operações.
No câmbio, o dólar um pouco mais fraco ajuda a apoiar os contratos. Com isso, a commodity se torna mais barata para os detentores de outras divisas, o que aumenta o apetite dos investidores.
Na agenda, às 14h a Baker Hughes divulga seu relatório semanal sobre poços e plataformas em atividade nos EUA na última semana.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia