Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 18 de agosto de 2017. Atualizado às 08h09.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 18/08 às 08h09min

Bolsas asiáticas caem com crise política nos EUA e ataque em Barcelona

As bolsas da Ásia e do Pacífico fecharam majoritariamente em baixa nesta sexta-feira (18), à medida que investidores evitaram ativos considerados mais arriscados, como ações, em meio a preocupações com uma nova crise política nos EUA e após o violento ataque na cidade espanhola de Barcelona.
Nos últimos dias, ressurgiram temores sobre a capacidade do governo dos EUA de implementar reformas cruciais - como cortes de impostos e gastos em infraestrutura - diante da especulação de que integrantes do gabinete poderiam renunciar após comentários polêmicos do presidente Donald Trump sobre a violência do último fim de semana em Charlottesville, na Virgínia, quando supremacistas e um grupo opositor entraram em conflito.
Ontem (17), circularam rumores de que o diretor do Conselho Econômico Nacional, Gary Cohn, teria desistido do cargo, o que foi posteriormente desmentido pela Casa Branca. Cohn é considerado o principal líder das reformas econômicas da administração republicana e estaria sendo cogitado por Trump para substituir Janet Yellen na presidência do Federal Reserve (Fed, o banco central americano).
Nos negócios de quinta-feira, os índices acionários de Nova Iorque tiveram robustas perdas de cerca de 1,2% a 1,9%.
O sentimento na região asiática também foi afetado pelo ataque terrorista de ontem em Barcelona, que deixou 13 mortos e 100 feridos, incluindo vítimas de pelo menos 24 países.
No mercado japonês, o índice Nikkei caiu 1,18% em Tóquio, a 19.470,41 pontos, seu menor nível desde 2 de maio, enquanto em Hong Kong, o Hang Seng teve queda de 1,08%, a 27.047,57 pontos, com destaque negativo da multinacional chinesa de tecnologia Lenovo, que sofreu um tombo de 3,4% e fechou no menor patamar em 13 meses após divulgar resultados trimestrais mais fracos do que o esperado.
Na China, um movimento de realização de lucros envolvendo papéis ligados a metais básicos - que ontem exibiram forte desempenho - também ajudou a pressionar as bolsas locais. O índice Xangai Composto ficou estável, a 3.268,72 pontos, com mais de 700 ações no vermelho, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto recuou 0,37%, a 1.902,25 pontos.
Em outras partes da Ásia, o sul-coreano Kospi teve leve baixa de 0,14% em Seul, a 2.358,37 pontos, enquanto o Taiex caiu 0,46% em Taiwan, a 10.321,33 pontos, e o filipino PSEi recuou 0,69% em Manila, a 8.016,73 pontos.
Na Oceania, a bolsa australiana seguiu o tom negativo das asiáticas e o índice S&P/ASX-200 terminou a sessão em baixa de 0,56% em Sydney, a 5.747,10 pontos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia