Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 17 de agosto de 2017. Atualizado às 17h48.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 17/08 às 17h53min

Dólar cai ante moedas fortes, com crise no governo Trump e atentado em Barcelona

A busca por segurança se intensificou nesta quinta-feira (17), e fez com que o dólar operassem em queda ante outras moedas fortes, como o iene e o franco suíço. O caos político envolvendo o governo de Donald Trump e um atentado terrorista em Barcelona fizeram com que a moeda americana impulsionaram o movimento.
No fim da tarde em Nova Iorque, o dólar caía a 109,47 ienes e recuava a 0,9620 franco suíço.
O presidente americano se envolveu em uma nova polêmica, após os episódios de violência vistos no fim de semana em Charlottesville, na Virgínia. O fato de o presidente ter atribuído a violência aos dois lados, e não apenas a manifestantes racistas, fez com que diversos empresários deixassem dois conselhos consultivos da Casa Branca. Na quarta-feira, Trump decidiu encerrar as atividades desses fóruns, após a debandada de executivos. Hoje, ele voltou ao assunto no Twitter, atacando um senador republicano que o criticou e também dizendo que a imprensa reportou de forma errada sua fala.
Rumores de que importantes funcionários da Casa Branca poderiam deixar o governo devido ao mal-estar gerado pelo presidente também pesaram sobre a moeda americana. Entre esses funcionários, estaria Gary Cohn, o diretor do Conselho Econômico Nacional, e peça importante para a agenda econômica de Trump. A Casa Branca, no entanto, negou que Cohn irá sair do governo, mas isso não impediu que a moeda americana perdesse força.
Além da crise política, a ata da reunião de política monetária mais recente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), que mostrou uma divisão entre os dirigentes sobre se a inflação mais fraca nos EUA é temporária ou um sinal de fraqueza econômica. Isso fez com que alguns investidores e analistas vissem a possibilidade de um período mais longo sem elevações nas taxas de juros.
A cautela ganhou ainda mais força devido a um ato terrorista em Barcelona, na Espanha. A polícia confirmou que ao menos 12 pessoas morreram e 50 ficaram feridas após uma van avançar contra uma multidão em uma avenida no centro de Barcelona. O ataque ocorreu por volta das 17h desta quinta-feira (horário local).
O euro, por sua vez, recuou após a divulgação da ata da reunião de política monetária do Banco Central Europeu (BCE). A instituição afirmou no documento que ainda é preciso ver um "progresso convincente" em relação à inflação. A fraqueza nos preços na zona do euro, ainda distantes da meta de quase 2% da autoridade monetária, pode levar os estímulos do BCE a se manterem por mais tempo. No fim da tarde em Nova Iorque, o euro caía a US$ 1,1736 e recuava a 128,47 ienes.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia