Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 17 de agosto de 2017. Atualizado às 23h13.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

consumo

Notícia da edição impressa de 18/08/2017. Alterada em 17/08 às 20h49min

Intenção de compras sobe 11,5% na comparação anual

Queda da inflação e juros vai favorecer os gastos no segundo semestre

Queda da inflação e juros vai favorecer os gastos no segundo semestre


/FABIO RODRIGUES POZZEBOM/ABR/JC
A Intenção de Consumo das Famílias (ICF), apurada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), alcançou 77,3 pontos em agosto de 2017, em uma escala de 0 a 200. Apesar da alta de 11,5% em relação ao mesmo período do ano passado, o indicador manteve-se estável na comparação com julho.
"Além dos resultados mais favoráveis do mercado de trabalho no curto prazo, a trajetória recente da inflação já abriu as portas para mais quedas nas taxas de juros, fator fundamental para a recuperação das condições de consumo na segunda metade de 2017", diz Juliana Serapio, assistente econômica da CNC.
Único subitem acima da zona de indiferença (100 pontos), com 107,2 pontos, o componente emprego atual caiu na comparação com o mês anterior (-0,4%). Na comparação anual, houve aumento de 4,8%. O percentual de famílias que se sentem mais seguras em relação ao emprego atual é de 31,3%, o mesmo de julho.
A preocupação em relação ao mercado de trabalho aparece no componente perspectiva profissional, que ficou com 96 pontos, leve aumento de 0,5% na comparação mensal e de 2,1% em relação ao mesmo período de 2016. O componente nível de consumo atual atingiu 54,2 pontos, recuando 0,8% em relação ao mês anterior e aumento de 22,5% na comparação com 2016. A maior parte das famílias declarou estar com o nível de consumo menor que o do ano passado (59,3% ante 58,6% em julho).
O item momento para duráveis cresceu 0,4% na comparação mensal. Em relação a 2016, teve aumento de 23,7%. O item acesso ao crédito, com 71,4 pontos, subiu 1,4% na comparação mensal e 11,5% em relação a agosto de 2016, a maior variação anual da série histórica.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia