Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 17 de agosto de 2017. Atualizado às 12h59.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 17/08 às 13h00min

Eunício afirma que salário-mínimo terá pelo menos a correção da inflação

Agência Brasil
O presidente do Senado, Eunício Oliveira, garantiu hoje (17) que o salário-mínimo de 2018 terá, pelo menos, o aumento de correção da inflação.
"Vamos aplicar a Lei. O salário-mínimo é corrigido pela inflação dos últimos 12 meses. O que der a inflação vai ser a correção do salário-mínimo. Não vai ser maior, a menos que o presidente determine que seja maior, mas menor do que o que está na Lei, nós não aprovaremos aqui no Congresso, ninguém tenha dúvida disso. Aqui no Congresso nós não vamos submeter redução do salário-mínimo", afirmou.
Com a revisão das projeções orçamentárias, na última terça-feira (15), o valor de salário-mínimo previsto para o próximo ano foi reduzido em R$ 10 e ficou em R$ 969. Neste ano de 2017, o salário-mínimo em vigor é de R$ 937.
O presidente do Senado disse que ainda hoje receberá e encaminhará à Comissão Mista de Orçamento (CMO) a mensagem do governo com o pedido de autorização ao Congresso Nacional para ampliar a meta fiscal de 2017 de um déficit de R$ 139 bilhões para R$ 159 bilhões.
O senador acrescentou que conversou hoje com o presidente da República Michel Temer, com a equipe econômica e com o presidente da CMO, Dário Berger (PMDB-SC), e que o esforço é para que a proposta seja aprovada até o fim deste mês.
"O Congresso tem responsabilidade com isso. Nós sabemos das dificuldades. Não podemos contribuir com a irresponsabilidade de o Brasil não ter como pagar seus funcionários, de o Brasil não ter como pagar os aposentados, aqueles que não têm alternativa, como os que recebem um salário-mínimo de aposentadoria", justificou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia