Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 17 de agosto de 2017. Atualizado às 00h24.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado de Capitais

Notícia da edição impressa de 17/08/2017. Alterada em 16/08 às 21h56min

Ibovespa tem ganho de 0,35%

O Índice Bovespa teve ontem sua quarta alta consecutiva e aproximou-se mais um pouco do patamar dos 69 mil pontos - melhor marca do ano. Segundo profissionais do mercado, a valorização foi garantida pela manutenção do cenário externo favorável e pela percepção de que não houve surpresas no anúncio da revisão das metas fiscais de 2017 e 2018. O vencimento das opções e futuro do Ibovespa, e a divulgação da ata do Federal Reserve (Fed) foram dois outros fatores apontados como apoiadores do movimento de alta.
O Ibovespa terminou o dia com avanço de 0,35%, aos 68.594 pontos. As altas foram puxadas pelas blue chips do mercado de ações, embora os vencimentos do índice tenham gerado volatilidade em alguns momentos. Vale ON terminou o dia em alta de 1,96%, embora o minério de ferro tenha caído quase 1% no mercado chinês. Já as ações da Petrobras sustentaram alta ao longo do dia, apesar das quedas do petróleo, mas anularam o movimento no final do dia. Petrobras ON e PN tiveram baixas de 0,29% e 0,15%, respectivamente.
As máximas do Ibovespa foram registradas à tarde, quando o Federal Reserve divulgou a ata de sua reunião de política monetária. O documento foi considerado "dovish", devido às dúvidas quanto ao comportamento da inflação nos Estados Unidos, e reforçou a estimativa de um aumento gradual de juros nos EUA.
Até então, as mesas de negociação se dedicaram à repercussão da revisão das metas fiscais do País e das manifestações de duas agências de classificação risco sobre a medida. A fixação do rombo fiscal em R$ 159 bilhões para este e o próximo ano ficou dentro das estimativas mais conservadoras e não foi apontada como fator de tensão. Já a decisão da Standard & Poor's de retirar o "credit watch" gerou alguma surpresa entre analistas, por afastar o risco de rebaixamento do País no médio prazo.
Com as quatro altas consecutivas, o Ibovespa acumulou ganho de 2,39%. No mês, a valorização já chega a 4,06%. Na última segunda-feira, os investidores estrangeiros ingressaram com R$ 476,200 milhões no mercado brasileiro de ações, levando o saldo acumulado de agosto para R$ 870,562 milhões. No acumulado de 2017, o fluxo de recursos estrangeiros está positivo em R$ 8,867 bilhões.
.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia