Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 15 de agosto de 2017. Atualizado às 16h52.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

15/08/2017 - 16h51min. Alterada em 15/08 às 16h53min

Ouro fecha em baixa, com dólar mais forte após dados dos EUA

O contrato futuro de ouro fechou em baixa nesta terça-feira (15) pressionado pelo fortalecimento do dólar, após dados acima do esperado da economia americana, que foram divulgados nesta terça-feira.
Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato para dezembro fechou em queda de 0,83%, a US$ 1.279,70 por onça-troy. Com o resultado, o ouro teve a maior perda diária em seis semanas.
Dados econômicos melhores do que o esperado nos Estados Unidos fizeram com que o dólar se fortalecesse nesta terça-feira. As vendas no varejo cresceram 0,6% em julho ante o mês anterior, enquanto a estimativa era de alta menor, de 0,4%. Além disso, o índice Empire State de atividade industrial na região de Nova York subiu de 9,8 em julho para 25,2 em agosto, bastante acima da previsão de 10,3 dos analistas consultados pelo Wall Street Journal.
O fortalecimento do dólar tende a afetar os preços do ouro, já que o metal precioso é cotado na moeda americana. Com isso, quando o dólar sobe, o ouro tende a cair, já que fica mais caro para investidores que operam em outras divisas.
Pesou ainda sobre os preços do metal o abrandamento das tensões geopolíticas entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos. Na noite de segunda-feira, a agência de notícias estatal norte-coreana, a KCNA, informou que o líder Kim Jong-un disse que irá "observar um pouco mais a atitude estúpida e torpe dos EUA, que estão sofrendo os momentos penosos e agudos de seu destino trágico", antes de atacar o território de Guam, que é administrado pelos EUA. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia