Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 15 de agosto de 2017. Atualizado às 16h47.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 15/08 às 16h50min

Bolsas europeias fecham em alta, com menor foco na tensão geopolítica

Sinais de que a tensão geopolítica recente entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte perdeu fôlego ajudaram as bolsas europeias nesta terça-feira (15) embora o assunto continue no radar. Isso abriu espaço para uma recuperação nas praças do continente em geral, em sessão marcada também pela divulgação de alguns indicadores importantes.
O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,05%, em 376,36 pontos.
A Coreia do Norte sinalizou, por meio de sua agência de notícias estatal, que o plano para lançar mísseis na região do território americano de Guam, no Pacífico, estão suspensos, ao menos por ora. Ainda que novas declarações ou mudanças de rumo possam voltar a elevar a cautela, nesta terça-feira prevaleceu o maior apetite por risco entre os investidores.
Na agenda econômica, o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) do Reino Unido subiu 2,6% em julho ante igual mês do ano passado, no mesmo patamar de junho. Analistas previam alta de 2,7% agora. Na Alemanha, o Produto Interno Bruto (PIB) desacelerou no segundo trimestre e cresceu 0,6% ante o primeiro trimestre, com alta de 2,1% na comparação anual.
Na bolsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou com ganho de 0,41%, em 7.383,85 pontos. Entre os bancos, Barclays subiu 0,33%, Lloyds avançou 1,13% e Standard Chartered, 0,99%. Já a petroleira BP caiu 0,45% e, entre as mineradoras, Anglo American e Antofagasta recuaram 1,19% e 0,97%, respectivamente.
Em Frankfurt, o índice DAX subiu 0,10%, a 12.177,04 pontos. Lufthansa avançou 4,73%, diante das especulações de que possa lucrar com a possível compra da Air Berlin. No setor de energia, E.ON subiu 0,88%. Entre os bancos, Commerzbank teve alta de 0,49%, mas Deutsche Bank caiu 0,55%.
Na bolsa de Paris, o CAC-40 fechou em alta de 0,36%, a 5.140,25 pontos. Crédit Agricole subiu 1,08% e Société Générale, 0,67%, no setor bancário, enquanto a petroleira Total recuou 0,27%. Air France-KLM se destacou e subiu 3,96%, mas Vivendi caiu 0,23% e Peugeot perdeu 0,27%.
A bolsa de Milão não operou, por causa do feriado do Dia da Assunção de Nossa Senhora, que deixou os mercados fechados na Itália.
Em Madri, o índice IBEX-35 fechou com ganho de 0,19%, a 10.481,50 pontos. Entre os papéis mais negociados, Santander subiu 0,29%, Banco de Sabadell teve ganho de 0,42% e BBVA, de 0,79%. Já Telefónica recuou 0,66% e Urbas Grupo Financiero teve baixa de 5,56%.
O índice PSI-20, da bolsa de Lisboa, foi na contramão da maioria e teve queda de 0,48%, para 5.243,23 pontos. Banco Comercial Português teve baixa de 0,67%, Altri cedeu 1,05% e Jerónimo Martins recuou 1,45%, mas Pharol e Sonae avançaram 1,56% e 0,51%, respectivamente. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia