Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 15 de agosto de 2017. Atualizado às 16h07.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

agronegócios

Alterada em 15/08 às 16h11min

Agricultura estima em R$ 535,4 bilhões valor bruto da produção agropecuária

Agência Brasil
O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) de 2017 está estimado em R$ 535,4 bilhões, segundo novo estudo da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), divulgado hoje (15). O valor, calculado com base nas informações de julho, é 4,5% maior do obtido no mesmo mês em 2016, de R$ 512,5 bilhões.
Segundo o Mapa, o resultado das lavouras corresponde a R$ 367,9 bilhões, o que representa um aumento de 10,2% em relação a 2016. Já a pecuária, com R$ 167,5 bilhões, teve um recuo de 6,3% em relação ao ano passado.
O valor final de 2017 deve ser próximo a esta estimativa já que o ano agrícola está quase encerrado para a maior parte das lavouras.
Na agricultura, o destaque este ano é para a safra recorde de grãos, estimada em 238,2 milhões de toneladas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), e de 242,1 milhões segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O VPB, na análise do ministério, deve-se mais à produtividade do que aos preços ou aumento de área plantada.
Entre os produtos que com resultados mais favoráveis, destacam-se o algodão, com aumento real de 75,6%, cana de açúcar (46,4%), laranja (25,2%), milho (19,3%) e soja (2,3%). O valor da produção de soja, de R$ 115,6 bilhões, corresponde a 31,4% do VBP total, mas, segundo o estudo, houve anos em que a participação foi maior, como em 2015 e 2016.
Banana, batata-inglesa, cacau, cebola, feijão e maçã vêm apresentando desempenho menos favorável na comparação com o ano passado, com preços menores na comparação com 2016. Em alguns, como café e trigo, há uma combinação de preços mais baixos e quantidades também menores.
Na pecuária, carne bovina, frango e ovos registraram queda de preços, o que resulta em uma redução do faturamento dessas atividades. Suínos e leite são os principais destaques. Eles têm se beneficiado de aumento de preços ao produtor.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia