Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 14 de agosto de 2017. Atualizado às 22h42.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado de Capitais

Notícia da edição impressa de 15/08/2017. Alterada em 14/08 às 21h22min

Blue chips puxam ganho de 1,37% do Ibovespa

O abrandamento da tensão geopolítica restaurou o apetite por risco no mercado internacional ontem, o que claramente beneficiou a bolsa brasileira. A valorização robusta das bolsas norte-americanas foi fundamental para impulsionar o Índice Bovespa, que fechou em alta de 1,37% e atingiu os 68.284 pontos, depois de ter flertado com uma leve baixa pela manhã. A alta expressiva, no entanto, não teve correspondência no volume de negócios, que permaneceu próximo da média diária de agosto, totalizando R$ 7,930 bilhões.
A alta do Ibovespa foi determinada pelas "blue chips" do mercado nacional, com destaque para bancos, Petrobras e Vale. Segundo analistas, a demanda por essas ações é uma das evidências do apetite do investidor estrangeiro pelos papéis brasileiros. No caso da Vale, contribuiu ainda o processo de conversão das ações preferenciais em ordinárias, que agrada ao mercado pelo ganho de qualidade para a empresa e acionistas. Mesmo com o minério de ferro em baixa, Vale ON fechou com ganho de 1,62%. Já Petrobras ON e PN subiram 0,67% e 1,00%, mesmo com o petróleo registrando baixas superiores a 2,5% nos futuros de Nova Iorque e Londres.
As especulações em torno da revisão das metas fiscais de 2017 e 2018 voltaram a rondar as mesas de negociação. Durante todo o dia, os mercados aguardaram o anúncio dos novos números de déficit fiscal, que foi adiado.
Alguns fatores técnicos também foram apontados por profissionais do mercado como colaboradores da alta. Um deles é a proximidade do vencimento de opções sobre o Ibovespa e sobre o futuro do índice, amanhã.
No mercado à vista, o dólar terminou em alta de 0,65%, aos R$ 3,1998. O giro financeiro somou US$ 698 milhões. No mercado futuro, o dólar para setembro caiu 0,12%, aos R$ 3,2015. O volume financeiro movimentado somava cerca de US$ 15,29 bilhões.
.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia