Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 14 de agosto de 2017. Atualizado às 10h02.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 14/08 às 10h03min

Dólar se fortalece à espera por metas fiscais e medidas de cortes de gastos

O dólar se fortaleceu na manhã desta segunda-feira (14) mas continuava sem uma direção única, refletindo ainda os ajustes de posições ao fechamento anterior, segundo operadores do mercado.
Na sexta-feira, dia 11, o dólar à vista fechou com leve alta, aos R$ 3,1791, abaixo da cotação final do dólar setembro, aos R$ 3,2055. Por isso, os sinais estão divergentes até o momento, disse um operador de uma corretora. Os investidores estão na expectativa pelo anúncio das novas metas fiscais para 2017 e 2018 e de medidas de cortes de gastos pelo governo brasileiro.
Às 9h43min desta segunda-feira, o dólar à vista subia 0,38%, aos R$ 3,1912. O dólar futuro de setembro caía 0,08%, aos R$ 3,2030.
No exterior, o ambiente de negócios melhorou, com alta das bolsas, dos juros dos Treasuries e do dólar ante divisas principais e algumas emergentes. No entanto, as commodities recuam na esteira dos últimos números chineses de produção industrial, vendas no varejo e de investimentos em ativos fixos, que vieram abaixo das expectativas.
A indústria da China, por exemplo, produziu 6,4% mais em julho do que em igual mês do ano passado, de acordo com dados publicados no fim da noite deste domingo, mas analistas consultados pelo Dow Jones Newswires previam acréscimo de 7%. Já no varejo, as vendas cresceram 10,4% na comparação anual de julho, ante projeção de ganho de 10,9%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia