Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 08 de agosto de 2017. Atualizado às 19h59.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

tributos

Alterada em 08/08 às 20h01min

Meirelles espera aumento da arrecadação no ano que vem

O ministro afirmou que o aumento de impostos será o último recurso utilizado pelo Governo

O ministro afirmou que o aumento de impostos será o último recurso utilizado pelo Governo


WILSON DIAS/AGÊNCIA BRASIL/JC
O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta terça-feira (8), que o governo prevê aumento da arrecadação no ano que vem. Embora tenha admitido que existem estudos em áreas técnicas sobre aumento do imposto de renda, o titular da Fazenda garantiu que novos aumentos de tributos só serão anunciados em último caso.
Ele aconselhou que as empresas façam logo adesão ao programa de repactuação de débitos tributários, conhecido como Refis, para não perderem direitos garantidos pelo programa até o fim deste mês. O receio é que elas estejam aguardando condições mais favoráveis na nova etapa do programa.
"Se alguém aposta em outro projeto e ele não for aprovado, a empresa perde o direito de refinanciar sua dívida", afirmou Meirelles, em entrevista concedida a jornalistas após participação no congresso promovido na zona sul da capital paulista pela Fenabrave, entidade que representa as concessionárias de carros.
O ministro voltou a dizer que o governo vai buscar manter o relatório da reforma de Previdência aprovado pela comissão especial da Câmara, que reduz em 25% a economia prevista pela proposta original encaminhada pelo Executivo.
Segundo Meirelles, a economia voltou a crescer, mas essa recuperação levará alguns meses para ser sentida na vida das pessoas, uma vez que a percepção de melhora depende de uma queda contínua do desemprego. "Na medida que o desemprego cair, é questão de tempo para as pessoas ficarem mais confiantes."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia