Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 07 de agosto de 2017. Atualizado às 12h45.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

trabalho

07/08/2017 - 11h07min. Alterada em 07/08 às 12h46min

Saque das contas inativas do FGTS somaram R$ 44 bilhões

Segundo a Caixa, 25,910 milhões de trabalhadores com direito a saque retiraram os recursos disponíveis

Segundo a Caixa, 25,910 milhões de trabalhadores com direito a saque retiraram os recursos disponíveis


ANTONIO CRUZ/ABR/JC
A Caixa Econômica Federal anunciou que brasileiros sacaram R$ 44,032 bilhões das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) no período entre 10 de março e 31 de julho. O valor injetado na economia acabou sendo maior do que a estimativa inicial da própria instituição financeira, que informou inicialmente que R$ 43,6 bilhões estavam disponíveis para saque. Mais cedo, a instituição informou que o montante disponível era de R$ 48,9 bilhões, mas corrigiu a informação para R$ 49,8 bilhões. O total sacado, portanto, foi 88% do disponível.
O presidente da Caixa, Gilberto Occhi, explicou que o valor disponível para saque subiu graças à atualização das contas com a apresentação de documentos pelos trabalhadores. Isso adicionou R$ 4,95 bilhões disponíveis para saque com a inclusão de 2,48 milhões de contas que estavam "ativas" no sistema, mas que, na verdade, eram "inativas" e a apresentação dos documentos permitiu a regularização da situação dessa conta.
Segundo o banco, 25,910 milhões de trabalhadores com direito a saque retiraram os recursos disponíveis. O universo equivale a 79% dos titulares das contas inativas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia