Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 07 de agosto de 2017. Atualizado às 08h40.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Petróleo

Alterada em 07/08 às 08h43min

Maior campo de petróleo da Líbia sofre paralisação por protesto

O maior campo de petróleo da Líbia sofreu uma paralisação no fim do domingo (6), mas já voltou a operar nesta segunda-feira (7). O problema ocorreu graças a um protesto com pessoas armadas na área, disse uma autoridade do país nesta segunda-feira, em uma mostra da persistente instabilidade da produção petrolífera líbia.
A produção média de petróleo da Líbia mais que triplicou em um ano, para 1 milhão de barris por dia, o que poderia ofuscar o impacto dos cortes na produção liderados pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).
Uma autoridade líbia disse que o campo de Sharara, o maior do país, com produção de 270 mil barris por dia, foi fechado no fim do domingo, após a sala de controle que monitora o campo, no terminal petrolífero de Zawiya, ter sido alvo de um protesto armado. Ele disse que os homens exigiam a libertação de peregrinos líbios retidos na Arábia Saudita.
A autoridade afirmou, porém, que a produção já foi retomada nesta segunda-feira. Outra fonte oficial da Líbia disse que a produção estava "normal".
O presidente da estatal líbia National Oil, Mostafa Sanallah, e um porta-voz da espanhola Repsol, que é a sócia estrangeira do campo, não responderam a um pedido de declarações sobre o assunto.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia