Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 07 de agosto de 2017. Atualizado às 08h30.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 07/08 às 08h32min

Petróleo opera em baixa, de olho em reunião de produtores em Abu Dabi

Os futuros de petróleo operam em baixa nesta manhã (7), apagando ganhos da sessão anterior, com investidores à espera de novidades de uma reunião que grandes produtores farão hoje e amanhã, em Abu Dabi, para monitorar o acordo de redução da oferta da commodity.
Segundo pacto fechado no fim do ano passado e renovado em maio, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e dez grandes produtores que não pertencem ao cartel têm o compromisso de cortar sua produção combinada em cerca de 1,8 milhão de barris por dia até pelo menos março de 2018. Por enquanto, o acordo ainda não teve impacto significativo na produção e estoques globais de petróleo.
Às 8h05min (de Brasília), o barril do petróleo tipo Brent para outubro caía 1,14% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 51,82, enquanto o do WTI para setembro recuava 1,09% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 49,04.
Para a diretora de pesquisa de energia do Standard Chartered, Emily Ashford, os contratos futuros são pressionados por temores de que os cortes de produção determinados pela Opep não estejam sendo respeitados.
Investidores ficarão particularmente atentos, durante o encontro em Abu Dabi, à possibilidade de a Líbia aderir ao acordo. Líbia e Nigéria, ambos integrantes da Opep, foram inicialmente excluídos do pacto, uma vez que sua produção vinha sendo prejudicada por ataques de militantes. No entanto, como a produção dos dois países africanos tem ganhado força, há uma visão crescente de que ambos deveriam também entrar no acordo.
O maior campo de petróleo da Líbia sofreu uma paralisação no fim de ontem, devido a uma manifestação com pessoas armadas, mas já voltou a operar normalmente nesta segunda-feira, segundo uma autoridade local.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia