Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 03 de agosto de 2017. Atualizado às 00h45.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR
Notícia da edição impressa de 03/08/2017. Alterada em 03/08 às 00h37min

Atividade industrial volta a cair no Rio Grande do Sul, afirma Fiergs

O Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS), pesquisa mensal realizada pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), revela que a atividade do setor no Estado caiu 0,9% entre maio e junho, feito o ajuste sazonal. O resultado não altera o quadro de estabilização que a indústria gaúcha apresenta, após três anos de quedas seguidas. Em maio, a alta havia sido de 2,4%. O setor opera em um período de transição caracterizado por oscilações entre a longa recessão e a retomada. "As incertezas da crise política sobre a economia, sobretudo com relação à questão fiscal e às reformas, postergam o começo da recuperação do setor, que sofre o impacto da demanda doméstica enfraquecida, esta, por sua vez, afetada pelo desemprego alto, renda em declínio, crédito restrito e elevada ociosidade", explica o presidente da Fiergs, Gilberto Petry.
Também dessazonalizados, o comportamento dos indicadores que compõem o IDI-RS foi distinto entre maio e junho. As compras industriais e a massa salarial real cresceram 2,2% e 1,7%, respectivamente. Em compensação, o faturamento real (-1,4%), as horas trabalhadas na produção (-1,1%) e a Utilização da Capacidade Instalada - UCI (-1,2 p.p.) recuaram. Apenas o emprego se manteve estável, com -0,1%.
Ao se comparar os índices com junho do ano passado, a atividade industrial gaúcha apontou contração de 0,6% no mesmo mês de 2017, após ter avançado 2,1% em maio, quando registrou o primeiro crescimento em 39 meses.
Queda também foi registrada no acumulado do primeiro semestre de 2017, na relação com o mesmo período do ano passado. Nessa base de comparação, o IDI-RS baixou 1,4%, tendo contribuído para isso perdas em quatro de seus seis componentes avaliados: compras industriais (-3,4%), horas trabalhadas na produção (-2,8%), emprego (-1,7%) e faturamento real (-0,4%). Apenas a massa salarial subiu, 1,9% em termos reais, e a UCI se manteve estável em 78,8% na média do período.
Nove dos 17 setores pesquisados encerraram o primeiro semestre de 2017 com redução da atividade comparativamente a igual período de 2016. Os principais destaques negativos ficaram com veículos automotores (-5,5%), alimentos (-3,4%) e móveis (-3,4%). Já tabaco (4,8%), produtos de metal (3,6%) e máquinas e equipamentos (2,6%) forneceram as maiores contribuições positivas para o resultado geral.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia