Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 03 de agosto de 2017. Atualizado às 13h50.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Contas Públicas

Notícia da edição impressa de 03/08/2017. Alterada em 03/08 às 13h53min

Após corte no PAC, governo libera verba para custeio

O governo federal já começou a distribuir os recursos remanejados do orçamento de 2017 para desafogar órgãos que reclamam da falta de dinheiro para exercer suas atividades. Uma portaria publicada nesta quarta-feira pelo Ministério do Planejamento amplia os limites de empenho de despesas de sete ministérios, no valor total de R$ 658,6 milhões.
O aumento desses limites ocorreu no mesmo dia em que a Câmara dos Deputados votou a denúncia contra o presidente Michel Temer. Um dos maiores beneficiados foi o Ministério das Relações Exteriores (MRE), que está sob o comando de Aloysio Nunes, integrante da ala pró-Temer dentro do PSDB e defensor da permanência do partido na base do governo.
Na semana passada, o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, já havia anunciado que a área econômica iria remanejar R$ 2,25 bilhões dos gastos com investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para outras despesas dos ministérios. A medida foi tomada diante do risco de paralisação da máquina pública.
Desse valor, R$ 92 milhões já haviam sido destinados às demandas de três ministérios: Agricultura, Turismo e Esporte. Mas o restante ainda estava guardado na chamada reserva de contingência.
A portaria amplia a destinação desses recursos do orçamento federal. O Ministério da Fazenda teve o seu limite de empenho (quanto a pasta faz a promessa de pagamento) elevado em R$ 170 milhões.
Também foram beneficiados os ministérios das Relações Exteriores (R$ 153 milhões), Defesa (R$ 120 milhões), Agricultura (R$ 100 milhões), Integração Nacional (R$ 90 milhões), Esporte (R$ 15,6 milhões) e Transparência (R$ 10 milhões).
A estratégia do governo com a realocação dos recursos é tentar aplacar os ânimos de órgãos que vinham escancarando a falta de dinheiro e chegaram a paralisar serviços, como a Polícia Federal (PF) e a Polícia Rodoviária Federal (PRF). No caso do PF, a suspensão da emissão de passaportes teve grande repercussão junto à população.
Na semana passada, o ministro confirmou que a PF e a PRF serão beneficiadas com o remanejamento. Apesar disso, a portaria não prevê ampliação de limites de gastos para o Ministério da Justiça, pasta à qual esses órgãos são ligados.
Oliveira também afirmou, na semana passada, que o remanejamento de recursos do PAC para outras despesas também beneficiará as operações de agências do INSS e de fiscalização do trabalho escravo. Outras iniciativas que devem receber injeção de recursos são os carros-pipa que levam água potável a áreas remotas do País, a defesa civil, o sistema de controle aéreo, a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) e Trensurb (empresa de trens da Região Metropolitana de Porto Alegre), entre outras.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia