Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 02 de agosto de 2017. Atualizado às 00h05.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Comércio Exterior

Notícia da edição impressa de 02/08/2017. Alterada em 01/08 às 22h13min

Balança comercial no ano registra superávit recorde

Desempenho das exportações foi puxado por preço das commodities

Desempenho das exportações foi puxado por preço das commodities


/RODRIGO LEAL/APPA/DIVULGAÇÃO/JC
As vendas brasileiras ao exterior superaram as importações pelo sexto mês consecutivo em julho e levaram a balança comercial a registrar um resultado recorde de US$ 6,3 bilhões. O resultado dos sete primeiros meses de 2017 alcançou US$ 42,5 bilhões, o maior patamar para o período da série histórica, que tem início em 1989.
A expectativa do governo é que o saldo ultrapasse US$ 60 bilhões neste ano. "É uma expectativa realista e confiável", disse o secretário do Comércio Exterior, Abrão Neto. Ele afirmou que, se necessário, a projeção poderá ser revista.
O bom desempenho das exportações foi puxado principalmente pela melhora dos preços internacionais das commodities e pela supersafra brasileira deste ano. "É um número positivo, porque as exportações estão crescendo de forma difusa, e as importações também crescem, refletindo a melhora da atividade econômica", acredita o economista da GO Associados, Luiz Castelli. "O segundo semestre deve ser um pouco mais fraco em termos de volumes e valores, porque a safra dos principais produtos já acabou, mas ainda teremos superávits mensais e um resultado forte no ano."
De janeiro a julho, foram recordes os volumes vendidos ao exterior de produtos como minério de ferro, soja, petróleo e celulose. Em relação ao valor exportado, foram registrados recordes também na venda de automóveis de passageiros, veículos de carga, carne suína congelada e partes de motores e turbinas de aviação.
O aumento nas exportações nos primeiros sete meses do ano, de 18,7%, é resultado da melhoria nos preços dos produtos, que subiram 15,3%, enquanto as quantidades exportadas cresceram 3,3%. Já as importações cresceram 7,2%, com aumento de 4,1% nos preços e de 2,9% nas quantidades.
Em julho, as exportações somaram US$ 18,8 bilhões (alta de 14,9% ante junho de 2016), e as importações, US$ 12,5 bilhões (alta de 6,1%). No mês passado, voltaram a crescer as exportações de carne bovina in natura. As vendas do produto subiram 38%, impactadas pelo retorno das vendas para o Egito, que haviam sido suspensas por problemas com balanço de pagamentos. No ano, a alta é de 3,2%.
Até julho, houve um aumento de 324% no valor importado de etanol, que somou US$ 667 milhões e 1,3 bilhão de litros. De acordo com o secretário do Comércio Exterior, Abrão Neto, isso foi impactado pelo aumento na demanda interna e pelo preço mais baixo do produto importado. O governo avalia um pedido dos produtores nacionais de aumentar o imposto de importação sobre o etanol para proteger a indústria local. "Não há decisão sobre aumento de imposto de importação sobre etanol", completou.
Já a conta petróleo, que registra as vendas de petróleo e derivados, teve superávit de US$ 3,8 bilhões de janeiro a julho, ante US$ 983 milhões no mesmo período de 2016. As exportações do setor somaram US$ 126,5 bilhões de janeiro a julho ( 18,7%), enquanto as importações totalizaram US$ 83,965 bilhões ( 7,2%). O secretário atribuiu a melhora ao aumento da produção nacional de petróleo bruto, que foi de 10,4% no primeiro semestre. "Caminhamos para ter o segundo ano consecutivo de superávit na conta petróleo", acrescentou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia