Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 02 de agosto de 2017. Atualizado às 00h00.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

construção civil

Notícia da edição impressa de 02/08/2017. Alterada em 01/08 às 22h39min

Vendas de material de construção caem 5% em julho

As vendas de materiais de construção no varejo em julho caíram 5% em relação ao mesmo mês do ano passado. Já na comparação com junho deste ano, houve alta de 4%. Os dados foram divulgados ontem pela Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco).
As vendas das lojas de materiais entre janeiro e julho cresceram 3% em relação aos mesmos meses do ano passado. Nos últimos 12 meses, entretanto, houve uma retração de 5% no resultado.
O presidente da Anamaco, Cláudio Conz, pondera que o setor depende muito do aumento da confiança dos consumidores e da volta do emprego para retomar um ritmo mais forte de vendas. Ainda assim, mantém a projeção de crescimento de 5% nas vendas em 2017 na comparação com 2017, para o patamar de R$ 115,5 bilhões.
"A reforma das moradias não é uma coisa que é possível se adiar por muito tempo. As lojas estão investindo em promoções para girar os estoques, e o consumidor está aproveitando para fazer pequenas obras e reformas", explica Conz, em nota distribuída à imprensa.
"Aos poucos, estamos sentindo o impacto da melhoria do crédito ao consumidor, que ainda é pequena. É preciso lembrar também que o segundo semestre do ano corresponde a 65% das vendas do varejo de material de construção no ano. Por isso, estamos otimistas", acrescentou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia