Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 01 de agosto de 2017. Atualizado às 16h41.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 01/08 às 16h44min

Petróleo fecha em queda forte com novos temores sobre Venezuela e oferta da Opep

Os contratos futuros de petróleo encerraram o pregão desta terça-feira (1º) em queda firme, pressionados pelo noticiário sobre a Venezuela e por temores em relação à oferta da commodity dos membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).
Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril do WTI com vencimento em setembro fechou em queda de US$ 1,01 (-2,01%), a US$ 49,16. Já o Brent para outubro, negociado na Intercontinental Exchange (ICE), recuou US$ 0,94 (-1,78%), para US$ 51,78.
A commodity já vinha perdendo força desde o início do dia, pressionada por um movimento de realização de lucros.
Ainda pela manhã, o banco americano Goldman Sachs divulgou relatório no qual avaliou que a implementação de sanções dos Estados Unidos contra o setor de petróleo da Venezuela, que estaria em estudo por Washington, teria impacto limitado nos preços do barril.
Além disso, investidores digeriam ainda relatos da agência Bloomberg que, com base em fontes, analistas e companhias de petróleo, indicam que a média da produção diária de petróleo por países-membros da Opep subiu 210 mil barris por dia em julho.
Os operadores da commodity esperam ainda sinais sobre a oferta e o consumo dados pelos Estados Unidos, que podem ser dados pelos dados do American Petroleum Institute (API, uma associação de refinarias) no final da tarde de terça-feira e pelo Departamento de Petróleo (DoE, na sigla em inglês) na manhã de Quarta-feira (2).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia