Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 01 de agosto de 2017. Atualizado às 16h35.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

petróleo

Alterada em 01/08 às 16h35min

Petrobras prevê alta marginal ou zero de demanda de petróleo até 2040

A Petrobras prevê que a demanda mundial por petróleo terá um crescimento marginal ou zero no período entre 2014 e 2040, afirmou o presidente da estatal, Pedro Parente, em palestra na Fundação Getulio Vargas (FGV), no Rio. Esse cenário de perda de espaço do petróleo na matriz energética mundial é um dos desafios estratégicos da estatal na visão do executivo.
"Todas as projeções levam ao declínio da participação do petróleo no consumo de energia no longo prazo, embora até 2035 continue a haver crescimento", disse.
A Petrobras trabalha com três diferentes cenários para o aumento da demanda energética no País até 2040. O mais otimista é batizado de Correnteza e prevê uma taxa de crescimento de 1,0% na demanda por petróleo. No cenário Cardume, essa previsão é de alta de 0,7% e no Coral, o mais negativo, é de crescimento zero da demanda pela commodity nesses anos.
O executivo destacou que a mudança na matriz energética deve levar a um pico de demanda por petróleo entre 2030 e 2040. Depois disso deve haver um declínio, elevando o risco de haver ativos encalhados.
O executivo destacou que a produção do pré-sal ultrapassou pela primeira vez a do pós-sal em junho. Parente frisou que, não fosse por questões regulatórias, o desenvolvimento da camada pré-sal poderia ter tido uma velocidade maior. Parente destacou as mudanças implementadas pela nova direção da Agência Nacional do Petróleo (ANP), como as referentes à política de conteúdo local que, segundo ele, não era racional e tinha que ser aperfeiçoada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia