Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 01 de agosto de 2017. Atualizado às 09h55.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Negócios Corporativos

01/08/2017 - 09h58min. Alterada em 01/08 às 09h58min

Fibria ainda está na briga pela Eldorado

A companhia brasileira Fibria, maior companhia de celulose do mundo, tem uma proposta na manga para comprar a concorrente Eldorado, que pertence à família Batista, caso as negociações em curso com o grupo chileno Arauco não avancem, apurou a reportagem.
Fontes a par do assunto afirmaram que o grupo brasileiro aguarda o fim do acordo de exclusividade entre Eldorado e Arauco, valido até a meia-noite de quinta-feira (3), para formalizar sua oferta.
A Eldorado fechou, no fim de junho, um acordo de exclusividade com a Arauco por 45 dias. Nesse acordo, segundo fontes de mercado, o grupo chileno teria se comprometido a pagar US$ 4 bilhões pelo negócio. A companhia chilena, então, começou a fazer o processo de due dilligence (auditoria) na empresa.
Nos últimos dias, contudo, a família Batista teria sinalizado à Fibria, que tem o grupo Votorantim e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) como acionistas, que poderia analisar uma proposta do concorrente brasileiro, afirmaram duas fontes à reportagem.
A companhia chilena Arauco é assessorada pelo banco Santander. A aquisição da Eldorado pela Arauco é considerada estratégica para o grupo chileno ganhar mais relevância no mercado internacional. Procurada, a Arauco não retornou os pedidos de entrevista.
Para a Fibria, a compra do rival traz sinergia ao grupo, uma vez que a fábrica da Eldorado está localizada em Três Lagoas (MS), mesma cidade onde a Fibria está instalada.
Procurada, a assessoria da Fibria informou, por meio de nota, que "a companhia já manifestou que tem interesse nos ativos da Eldorado Celulose, mas não fez, até o momento, nenhuma proposta vinculante pela empresa. Da parte da Fibria, aguardamos o fim do período de exclusividade da negociação anunciado pela Eldorado Celulose com outra companhia para nos manifestarmos."
Já a holding J&F afirmou que "não comenta a venda de ativos além das informações públicas e respeita os contratos de exclusividade em andamento".
Com dívida líquida de cerca de R$ 8 bilhões, a Eldorado também tem os fundos de pensão Funcef (Caixa) e Petros (da Petrobrás) como acionistas. Funcef e Petros fazem parte do fundo de investimento (FIP) Florestal, que também tem a J&F, holding dos irmãos Batista, como sócio.
De acordo com uma fonte do mercado financeiro, que preferiu não identificar, se a Eldorado for vendida a uma companhia de capital fechado - caso da Arauco -, a chance de saída dos fundos de pensão do negócio é menor. Se a compra for feita por um grupo com ações em Bolsa, caso da Fibria, a saída do negócio deve ocorrer mais rapidamente. Com a queda recente do dólar, a companhia está avaliada entre R$ 12 bilhões e R$ 13 bilhões, disseram fontes.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia