Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 21 de agosto de 2017. Atualizado às 22h14.

Jornal do Comércio

Panorama

COMENTAR | CORRIGIR

Festival de Gramado

Notícia da edição impressa de 22/08/2017. Alterada em 21/08 às 18h52min

Mostra Gaúcha de Curtas: ousadia no discurso e na forma

O montador Matheus Piccolli e o diretor Cacá Nazario subiram ao palco para receber o prêmio por Secundas

O montador Matheus Piccolli e o diretor Cacá Nazario subiram ao palco para receber o prêmio por Secundas


Edison Vara/Pressphoto/Divulgação/JC
Caroline da Silva, de Gramado
O júri da Mostra Gaúcha de Curtas - Troféu Assembleia Legislativa, no 45º Festival de Cinema de Gramado, surpreendeu, em uma decisão política, ao eleger o documentário Secundas, de Cacá Nazario, como o melhor filme da seleção - sendo que o título não foi destacado em nenhuma outra categoria. A cerimônia ocorreu na noite de domingo, no Palácio dos Festivais. A premiação selecionou ainda profissionais em outras 12 categorias, distribuindo um total de R$ 45 mil em dinheiro.
A produção de Nazario retrata o movimento de ocupações escolares ocorrido no Estado no ano passado e é uma espécie de manifesto. O discurso do diretor ao receber o prêmio foi contra os governos atuais, afirmando que alguém precisa dizer o que está acontecendo de fato. O cineasta (coautor de Sobre sete ondas verdes espumantes, 2013, abordando Caio F. Abreu) contou ao Jornal do Comércio que trabalha em uma continuação desse projeto, com um longa-metragem de ficção inspirado na liderança Babi (Barbara Vuelma Gucciardo), uma das estudantes secundaristas do título agraciado. "O filme será a partir dessa personagem. Já comecei a escrever."
Outra figura de Secundas é o jornalista Matheus Chaparini, conhecido pela sua prisão no fato da ocupação pelos estudantes da Secretaria de Estado da Fazenda, no ano passado. Ele foi detido pela Brigada Militar na desocupação à força, junto a estudantes de Ensino Médio - que reivindicavam melhores condições para a Educação e uma reunião com o governador. O repórter participa do filme contando sua relação com o episódio e cede as imagens que fez da ocasião para a produção.
Nazario comenta que foi questionado no evento sobre a questão de autoria no documentário: "Uma coisa é a autoria das imagens, que foram cedidas, e a outra é a autoria do projeto". O cineasta explica: "Cinema não é só suporte, é linguagem. São coisas diferentes. As pessoas confundem. A narrativa é montada de acordo com o teu olhar como autor do projeto".
Mais um destaque é Sob águas claras e inocentes, de Emiliano Cunha (escolhido como melhor diretor), filmado no bairro Cidade Baixa, que contabilizou quatro troféus. Cunha dedicou seu prêmio na direção a Cid Nader (crítico de cinema e curador de festivais, falecido na semana passada). Além do prêmio da crítica, o título conceitual também levou o troféu Assembleia Legislativa de produtor-executivo, e um dos representantes que subiram ao palco, Pedro Guindani, disse que o júri não tem como avaliar esta categoria, que já sugeriram a substituição dela, então decidiram disponibilizar o dinheiro recebido por ela (R$ 4 mil) para outros realizadores inscreverem seus filmes em festivais, permitindo que a premiação volte ao audiovisual gaúcho.
Cunha teve outra surpresa: uma menção honrosa ao elenco do filme Sob águas claras e inocentes, concedida de forma unânime pelos jurados, com a justificativa: "Pela harmonia do trabalho coletivo das atrizes e atores e pela potência cênica da personagem, dificulta o apontamento de destaques individuais e demonstra a força do grupo em uma interpretação coesa, crível e em plena sintonia com a direção". O diretor recebeu a distinção e agradeceu Vitória Monteiro: "Agora ela está fora, estudando, e foi quem construiu esse corpo único, desse sujeito que ruma pelas ruas da cidade abandonada de Porto Alegre."
Em seguida, Temporal (ficção sobre as memórias afetivas de um lugar, no caso, um clube de lazer), de Gabriel Honzik, e Yomared (documentário sobre a trajetória de uma artista de rua), de Lufe Bollini, receberam três prêmios cada. De uma forma geral, foram reconhecidos pelos jurados os realizadores que trabalharam com as temáticas e formas narrativas mais ousadas entre os 18 filmes exibidos na mostra.

Vencedores da Mostra Gaúcha

  • Melhor filme: Secundas, de Cacá Nazario
  • Melhor Atriz: Mariana Yomared por Yomared
  • Melhor Ator: João Pedro Prates por 1947
  • Melhor Direção: Emiliano Cunha, por Sob águas claras e inocentes
  • Melhor Roteiro: Gabriel Honzik, por Temporal
  • Melhor Produtor-Executivo: Ausang, Davi Pinheiro, Emiliano Cunha e Pedro Guindani,  por Sob águas claras e inocentes
  • Melhor Fotografia: Carine Wallauer, por Temporal
  • Melhor Música: Mariana Yomared e Banda da Convenção de Malabares por Yomared
  • Melhor Direção de Arte: Eduardo Reis, por Solito
  • Melhor Edição de Som: Ivan Lemos e Thiago Gautério, por Temporal
  • Melhor Montagem: Lufe Bollini, por Yomared
  • Prêmio da Crítica Melhor Filme: Sob águas claras e inocentes, de Emiliano Cunha
  • Troféu TVE de Melhor Filme (prêmio aquisição): Gestos, de Alberto Goldim e Júlia Cazarré
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia