Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 27 de julho de 2017. Atualizado às 11h13.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

Notícia da edição impressa de 27/07/2017. Alterada em 27/07 às 11h17min

Defesa do ex-presidente Lula recusa interrogatório por videoconferência

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) informou, em petição ao juiz Sérgio Moro ontem, que não concorda com a realização de interrogatório do petista por videoconferência. A sugestão havia sido feita pelo juiz, que pediu a manifestação da defesa sobre a possibilidade. Ele marcou um novo interrogatório do petista para o dia 13 de setembro, em uma ação que investiga se Lula se beneficiou de R$ 12 milhões em vantagens indevidas, na compra de um terreno que seria destinado ao Instituto Lula pela empreiteira Odebrecht.
Na ocasião, Moro disse que o interrogatório anterior de Lula em Curitiba, em maio, gerou "gastos necessários, mas indesejáveis de recursos públicos". Foram R$ 110 mil em despesas com um esquema de segurança, montado pela Polícia Militar do Paraná. 
Os advogados de Lula argumentaram que a lei assegura ao acusado o direito de ser interrogado presencialmente pelo juiz, e que a realização de videoconferência é "excepcional".
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia