Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 20 de julho de 2017. Atualizado às 23h09.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Justiça

Notícia da edição impressa de 21/07/2017. Alterada em 20/07 às 21h42min

Novo bloqueio atinge R$ 9 milhões de Lula

Um novo bloqueio da Justiça, nesta quinta-feira, sequestrou R$ 9 milhões em planos de aposentadoria privada do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), após determinação do juiz Sérgio Moro.
A decisão atende a um pedido do Ministério Público Federal, que pediu o sequestro dos bens do ex-presidente para a recuperação do produto do crime de corrupção no caso do triplex do Guarujá (SP), pelo qual o petista foi condenado na semana passada. Até quarta-feira, R$ 606 mil em contas bancárias de Lula, além de quatro imóveis e dois carros, haviam sido bloqueados pela Justiça.
Os advogados do ex-presidente entraram, nesta quinta, com mandado de segurança no Tribunal Regional Federal da 4ª Região para impugnar a decisão de Sérgio Moro. Nesta quinta, a BrasilPrev informou que bloqueou o saldo de duas aplicações em previdência privada contratadas pelo ex-presidente em 2014. Lula fez um aporte único nas contas, na época.
O saldo total das aplicações é de R$ 9,039 milhões - próximo ao bloqueio total ordenado por Moro, de R$ 10 milhões. A decisão não significa a perda imediata dos bens e valores em nome do ex-presidente. Os carros e imóveis só serão leiloados quando a sentença transitar em julgado, caso confirmada a condenação, e o dinheiro, transferido à União e à vítima (Petrobras).
Já os valores em contas e aplicações financeiras foram bloqueados e serão transferidos a uma conta judicial quando assim determinado, para depois serem repassados à estatal, também apenas em caso de condenação definitiva.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia