Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 20 de julho de 2017. Atualizado às 00h04.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Notícia da edição impressa de 20/07/2017. Alterada em 19/07 às 21h35min

MPF pede a Moro que libere as provas contra Cabral

O Ministério Público Federal (MPF) peticionou ao juiz federal Sérgio Moro manifestação favorável ao compartilhamento das investigações que levaram à condenação do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral a 14 anos e quatro meses de prisão na Lava Jato. O peemedebista foi acusado por propina de pelo menos R$ 2,7 milhões da empreiteira Andrade Gutierrez, entre 2007 e 2011, referente às obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), da Petrobras. Esta é a primeira condenação de Sérgio Cabral na Lava Jato. No mesmo processo, a ex-primeira-dama Adriana Ancelmo foi absolvida por falta de provas.
A Advocacia-Geral da União (AGU) havia peticionado, no último dia 3 de julho, pedido para ter acesso às provas contra Cabral para eventualmente entrar com ação de improbidade contra o ex-governador. A AGU afirma, por meio de petição a Moro, que "está claro que a União detém manifesta legitimidade e interesse em promover, quando cabível, ação civil pública por ato de improbidade administrativa contra os agentes públicos envolvidos em atos de corrupção, podendo pleitear, não apenas as sanções previstas no artigo 12 da Lei nº 8.429/92, como também o ressarcimento dos danos que a conduta causou ao patrimônio público". Em resposta ao pedido da AGU, o Ministério Público Federal apresentou parecer favorável a abrir as investigações ao Planalto.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia