Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 17 de julho de 2017. Atualizado às 22h41.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Supremo Tribunal Federal

Notícia da edição impressa de 18/07/2017. Alterada em 17/07 às 21h26min

Cármen Lúcia nega pedido de habeas corpus a lobista do PMDB

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, negou liberdade ao lobista João Augusto Rezende Henriques, preso na Operação Lava Jato desde setembro de 2015 e apontado como operador de propinas ligado ao PMDB. Responsável por julgar os pedidos urgentes feitos durante o recesso, Cármen Lúcia rejeitou o pedido de habeas corpus ao alegar que faltavam documentos para analisá-lo.
Henriques apresentou também uma segunda solicitação de liberdade, que ainda não foi analisada por ela. A defesa dele requeria ao STF que anulasse as duas prisões preventivas decretadas e mantidas pelo STJ. Henriques foi preso em 21 de setembro de 2015, na Operação Ninguém Durma, da Lava Jato. Henriques foi condenado a 6 anos e 8 meses de reclusão por corrupção pelo juiz Sérgio Moro, numa ação penal sobre afretamento do navio-sonda Titanium Explorer pela Petrobras.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia