Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 13 de julho de 2017. Atualizado às 19h57.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

protestos

Alterada em 13/07 às 19h59min

Manifestantes voltam a protestar em Porto Alegre após aprovação da reforma trabalhista

Manifestantes se reúnem na Esquina Democrática contra as reformas e o governo Temer

Manifestantes se reúnem na Esquina Democrática contra as reformas e o governo Temer


CLAITON DORNELLES /JC
Bárbara Lima
Centrais sindicais, representantes de movimentos sociais e manifestantes se concentraram, na noite desta quinta-feira (13), na Esquina Democrática, no Centro de Porto Alegre, para uma vigília contra as reformas trabalhista e da previdência. Os manifestantes também pediram a saída de Michel Temer do poder e eleições diretas para presidência.
Para a vice-presidente da CTB-RS, Silvana Conti, uma das organizadoras do protesto, a luta contra a aprovação das reformas deve continuar. “Essa semana eles mataram a CLT, e nós não vamos esquecer”, disse. Ela afirmou ainda que é preciso restaurar a democracia no País. “Para o nosso País avançar e para termos a democracia de volta, a gente precisa de um Fora Temer e das Diretas Já”, falou.
A respeito da condenação do ex-presidente Lula da Silva, Conti disse que é um dia importante para prestar solidariedade com a decisão que, segundo ela, foi “irresponsável” e “imatura”. “Na minha avaliação, existe mais provas contra o Aécio, que continua no Senado, e contra o Temer, que continua no poder, do que contra o Lula”, declarou.
Conforme a CTB, cerca de 500 pessoas estavam presentes no início desta noite. A polícia ainda não divulgou os números oficiais. Até o fechamento da matéria, não houve registros de violência ou depredação.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia