Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 13 de julho de 2017. Atualizado às 21h12.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

13/07/2017 - 17h48min. Alterada em 13/07 às 21h14min

Temer sanciona reforma trabalhista em cerimônia no Planalto

Temer, com ministros e parlamentares, faz pronunciamento após sanção da Reforma Trabalhista

Temer, com ministros e parlamentares, faz pronunciamento após sanção da Reforma Trabalhista


VALTER CAMPANATO/ABR/JC
Folhapress
O presidente Michel Temer sancionou nesta quinta-feira (13), durante cerimônia no Palácio do Planalto, o projeto de lei da reforma trabalhista, proposta do governo que altera a CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) em mais de cem pontos.
Durante a cerimônia, discursaram o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, o presidente do TST (Tribunal Superior do Trabalho), Ives Gandra, os relatores da reforma na Câmara e no Senado, Rogerio Marinho e Romero Jucá, e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.
Para Meirelles, a aprovação da reforma é "um marco" nas relações de trabalho. "A economia, a tecnologia e a política estão mudando e evoluindo constantemente. A legislação trabalhista tem que representar esses fatos, tem que regular as relações trabalhistas dentro da nova realidade", disse.
Segundo o ministro da Fazenda, a reforma trabalhista é uma nova prova da capacidade do país de aprovar reformas. "Eu diria que é um sinal claro do compromisso da sociedade, do Congresso, do Poder Executivo de transformar a economia brasileira".
O presidente do TST fez uma defesa contundente da reforma, e declarou estar "convencido" de que a reforma foi a melhor forma de "proteger o trabalhador".
"Estamos vivenciando um momento histórico, a legislação trabalhista necessitava urgentemente de uma modernização. Nós, juízes do trabalho, sentimos falta de um marco regulatório seguro", disse Gandra, que recentemente entrou em conflito com juízes do TST por críticas à Justiça do Trabalho.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia