Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 11 de julho de 2017. Atualizado às 18h43.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Notícia da edição impressa de 12/07/2017. Alterada em 11/07 às 21h27min

Ministério Público Federal pede o arquivamento de investigação contra o ex-presidente Lula

O Ministério Público Federal (MPF) no Distrito Federal pediu à Justiça nesta terça-feira o arquivamento de uma investigação sobre uma suposta articulação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) com senadores para atrapalhar a Operação Lava Jato.
A apuração havia resultado da delação do ex-senador petista Delcídio Amaral. Segundo Delcídio, Lula o convidou para uma reunião no Instituto Lula, em 2015, juntamente com os senadores Edison Lobão (PMDB-MA) e Renan Calheiros (PMDB-AL), com o objetivo de frear a Lava Jato.
Essa era uma das apurações sobre obstrução da Justiça envolvendo Lula. Em outra, o ex-presidente foi denunciado sob acusação de ter tentado comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró.
No pedido de arquivamento enviado à Justiça Federal em Brasília, o procurador da República Ivan Cláudio Marx afirmou, após ter ouvido Lobão, Renan e o próprio Delcídio, que "não se vislumbra no discurso de Delcídio a existência de real tentativa de embaraço às investigações da Operação Lava Jato". "Da própria oitiva de Delcídio se colhe a afirmação de que 'o discurso (de Lula na reunião) era menos incisivo que embaraçar, mas o objetivo era organizar os discursos e oferecer um contraponto (à Lava Jato)'", escreveu o procurador.
Para ele, embora Delcídio tenha dito que "na prática o efeito pretendido era o de embaraçar as investigações da Lava Jato (e) que essa mensagem não foi passada diretamente, mas todos a entenderam perfeitamente", ficou claro que se tratou de "uma interpretação unilateral do delator, não confirmada pelos demais participantes da reunião".
À Procuradoria Renan negou que se tenha discutido a criação de um grupo de administração de crise para acompanhar a Lava Jato. Já Lobão afirmou que o tema "obstrução do andamento da Lava Jato" não foi levantado em nenhuma conversa com Lula. "Desnecessária a oitiva do ex-presidente Lula em razão de que obviamente não produziria provas contra si próprio", escreveu Marx.
O procurador afirmou ainda que "não se pode olvidar o interesse do delator em encontrar fatos que o permitissem delatar terceiros, e dentre esses especialmente o ex-presidente Lula, como forma de aumentar seu poder de barganha ante a PGR no seu acordo de delação".
"No presente caso, não havendo nenhuma corroboração para a versão apresentada pelo delator, e nem mesmo a possibilidade de buscá-la por outros meios, o arquivamento dos autos é medida que se impõe", disse o procurador.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia