Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 10 de julho de 2017. Atualizado às 19h53.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

crise política

Alterada em 10/07 às 19h54min

Após parecer, advogado de Temer diz 'rezar' para ter convencido deputados

Após o relator Sergio Zveiter (PMDB-RJ) apresentar o seu parecer pela admissibilidade da denúncia contra o presidente Michel Temer, o advogado Antonio Cláudio Mariz de Oliveira disse "rezar" para que os deputados acreditem em seus argumentos e votem contra o relatório.
"Eu aposto, torço, rezo para que a minha fala supere o relatório", disse após deixar a sessão da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. Zveiter apresentou seu relatório nesta segunda-feira, 10. Mariz fez uma sustentação oral logo após o parecer ser lido na comissão.
Segundo o advogado, a estratégia de defesa não muda após o revés na CCJ, e ele vai continuar defendendo que a peça produzida pela Procuradoria-Geral da República é uma obra de "ficção". "Não é possível que se queira processar o presidente da república, o presidente de 200 milhões de brasileiros, através de alegações fruto de mera ilação, ficção mesmo, suposições e hipóteses", afirmou.
Mariz afirmou ainda que respeitava o parecer de Zveiter, mas que não concordava em "nada" com ele. Em seu relatório, o deputado afirmou que a denúncia não era nem "inepta" nem "fantasiosa".
O advogado também defendeu que o melhor seria que o plenário da Câmara deliberasse sobre a denúncia ainda em julho. "Esse verdadeiro dilema que se encontra o País precisa ter um término rápido. O Brasil precisa andar, nós não podemos ficar andando em torno da Lava Jato, de delação, etc."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia