Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 04 de julho de 2017. Atualizado às 22h38.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Congresso Nacional

Notícia da edição impressa de 05/07/2017. Alterada em 04/07 às 21h05min

Jucá quer votar reforma política na Câmara antes do recesso

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), afirmou ontem que há um acordo com o relator da reforma política na Câmara, deputado Vicente Cândido (PT-SP), para que ao menos parte das propostas sejam votadas antes do recesso parlamentar. A prioridade será a criação de um fundo eleitoral com dinheiro público para financiar as campanhas do ano que vem.
Jucá e Cândido se reuniram na manhã de ontem para definir os detalhes. O petista concordou com a proposta de considerar a bancada atual do Senado na divisão do fundo, estimado em R$ 3,5 bilhões. Com isso, o PMDB deve ser beneficiado e ficar com a maior parcela.
"A bancada do Senado nunca foi usada, mas faz sentido, porque 54 cadeiras serão renovadas no Senado. O PMDB tem a maior bancada do Senado, é o maior partido hoje. Tem prefeitos, governadores, senadores e deputados. Então, é justo que ele tenha um pouco a mais, um plus, na distribuição do fundo. Mas também não pode ser tanto que chegue a prejudicar os demais partidos", disse Vicente Cândido após o encontro.
Eles também acertaram que o fundo será administrado pelos partidos, que deverá destinar metade do valor para campanhas no Executivo (presidente e governadores) e a outra metade para o Legislativo (senadores e deputados).
A criação do fundo deverá ser acrescida a uma proposta de emenda constitucional (PEC) que já está em discussão na Câmara e trata de outros temas, como o sistema eleitoral vigente. Desta forma, segundo Jucá, a tramitação será mais rápida. "Na questão do financiamento, como o trâmite da Câmara é mais difícil, é melhor que comece pela Câmara e o Senado faça seu trabalho como casa revisora", disse Jucá.
"É uma necessidade imperiosa (aprovar o fundo). A questão da forma de eleição também é fundamental. Temos que entregar uma mudança no processo político eleitoral à população brasileira. Eles têm cobrado isso. Essa reforma política tem que ser para valer, tem que ser dura, tem que ser clara. E nós estamos dispostos a aprovar isso", disse Jucá.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia