Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 04 de julho de 2017. Atualizado às 22h38.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara dos Deputados

Notícia da edição impressa de 05/07/2017. Alterada em 04/07 às 21h00min

Maia volta a afirmar que recesso poderá ser suspenso

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), voltou a afirmar ontem que, se for necessário, o recesso parlamentar poderá ser suspenso para que a denúncia contra o presidente Michel Temer (PMB) seja votada no plenário. "Se for preciso e estiver ajustado entre os deputados (pode haver a suspensão do recesso)", afirmou. A decisão vai depender do andamento do processo na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara.
De acordo com o cronograma elaborado pela base governista, a ideia é votar a denúncia no plenário até 17 de julho, um dia antes do início do recesso parlamentar. Como Temer deve encaminhar a sua defesa à CCJ hoje, a leitura do parecer na comissão deve acontecer, de acordo com os prazos regimentais, até 10 de julho. Dessa forma, a votação na comissão aconteceria no dia 12 de julho.
Depois disso, o pedido seguiria para plenário. Inicialmente, a base aliada espera tentar votar o assunto já no dia seguinte à apreciação da CCJ. Ou seja, no dia 13 de julho, próxima quinta-feira.
Os parlamentares contam, no entanto, com a possibilidade de terem que fazer essa votação na sexta-feira, 14 de julho, ou, no máximo, no dia 17, marcado como último dia de atividades no Congresso antes do recesso.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia