Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 04 de julho de 2017. Atualizado às 22h43.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara dos Deputados

Notícia da edição impressa de 05/07/2017. Alterada em 04/07 às 20h55min

Temer entrega hoje defesa na CCJ

A defesa do presidente Michel Temer (PMDB) será entregue hoje à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados, em uma tentativa de acelerar os trabalhos na CCJ. O advogado de Temer, Antonio Cláudio Mariz de Oliveira, planeja fazer a sustentação oral da defesa na comissão, dentro do prazo de 10 sessões que o presidente tem para se defender ante os parlamentares.
De acordo com um auxiliar presidencial, o governo aposta na sustentação oral de Mariz para convencer os deputados a aprovar um relatório contrário à aceitação da denúncia apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de corrupção passiva.
O governo ainda não tem certeza se possui todos os votos necessários para barrar a denúncia. A aprovação de um relatório contrário pela CCJ ajudaria a facilitar o caminho para que a denúncia seja rejeitada em plenário.
A defesa de Temer vai bater na versão já difundida de que a denúncia é "inepta" e fez uso de provas ilícitas, referindo-se à gravação da conversa entre o presidente e o empresário Joesley Batista, da JBS.
No lado político, o próprio presidente e seus auxiliares mais próximos intensificam as conversas políticas para conquistar votos, especialmente entre o grande número de parlamentares que ainda se colocam como "indecisos".
Para o líder do governo no Congresso, deputado André Moura (PSC-SE), se a defesa de Temer for realmente apresentada nesta quarta-feira, é possível encerrar o prazo de cinco sessões de deliberação até a semana seguinte e então votar o relatório na CCJ. "E votando na CCJ no dia 13, estaríamos com o pedido de denúncia pronto para o plenário, já que a definição da data é do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ)", disse Moura.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia