Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 03 de julho de 2017. Atualizado às 22h38.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Justiça

Notícia da edição impressa de 04/07/2017. Alterada em 03/07 às 21h37min

OAB descarta ilegalidade em doação da JBS para Sartori

A seccional gaúcha da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) emitiu nota em que isenta o governador José Ivo Sartori (PMDB) de ilegalidade no recebimento de doação financeira do frigorífico JBS para sua campanha ao governo do Estado, em 2014.
A doação foi motivo de discussão no mês de maio, quando veio à tona uma delação do ex-diretor da JBS Ricardo Saud, em que diz que a doação, declarada à Justiça Eleitoral, veio de um "crédito de propina" pago pelo frigorífico para que a campanha do tucano Aécio Neves também obtivesse o apoio de legendas. Segundo Saud, Aécio teria pedido para que a empresa desse R$ 1,5 milhão para o PMDB gaúcho, dissimulado sob doação oficial. A OAB solicitou ao Supremo Tribunal Federal o envio da delação de Saud. "A partir da apuração do material enviado pelo STF (Supremo Tribunal Federal), a OAB não identificou inicialmente a suposta irregularidade apontada pelo delator".
À época, Sartori emitiu nota em que diz que "a doação da JBS para minha campanha foi declarada e com recibo, dentro da legalidade. Repudio qualquer tentativa de me envolver nesse caso. Nunca participei desse mar de lama".
As delações de executivos da JBS, especialmente do presidente Joesley Batista, foram o estopim das atuais acusações de irregularidades que recaem sobre Aécio e o presidente Michel Temer (PMDB).
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia