Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 31 de julho de 2017. Atualizado às 22h30.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 01/08/2017. Alterada em 31/07 às 20h01min

Onde está o frio?

Sabrina Borges Portela
Em pleno mês de julho, vivemos dias consecutivos de temperaturas altas, equiparando-se aos dias de verão. Observamos nestes dias maior circulação de pessoas nas ruas, desfilando com suas roupas leves e coloridas, bares, restaurantes e sorveterias lotadas, megapromoções de roupas de inverno, pois os lojistas estão tentando acabar com estoques de inverno, vendendo alguns produtos até abaixo do preço de custo, uma ótima oportunidade para os consumidores de plantão.
Mas nem tudo são flores neste contexto, o resultado dessas temperaturas elevadas traz prejuízos para a agricultura. Porque, com as chances mínimas de gear, as lavouras do inverno acabam sendo prejudicadas, como, por exemplo, a do trigo, que é uma planta resistente e adaptada às baixas temperaturas. Quando faz muito calor, facilita-se a incidência de doenças causadas por fungos, desta forma colocando em risco toda a produção. As altas temperaturas também não são favoráveis para a fruticultura (cultivo de árvores frutíferas), afinal as frutas diminuem o seu período de dormência e ficam com menos sacarose, o açúcar das frutas, perdendo em qualidade e, como consequência, na questão financeira. Fica a pergunta: o que será que está acontecendo com nosso planeta? Temperaturas altas para o inverno, chuvas que ultrapassam a média histórica ocasionando enchentes, aumento dos índices de radiação ultravioleta, queimadas, esses são apenas alguns de vários dados que poderíamos mencionar. Será que já não passou do momento de sairmos de nossa zona de conforto e tornarmos algumas atitudes, para tentar amenizar essas consequências que afetam a vida em geral, ou ficaremos acomodados em nossos sofás, discutindo o desfecho da novela das oito!
Professora e bióloga
 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia