Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 03 de julho de 2017. Atualizado às 22h38.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 04/07/2017. Alterada em 03/07 às 18h34min

Educação: o melhor investimento

Leandro de Mello Schmitt
Na obra "Educação Comparada - Panorama Internacional e Perspectivas", organizado por Robert Cowen, da Universidade de Londres, e Andreas Kazamias, da Universidade de Wisconsin-Madison, projeto com o apoio da Unesco, ressalta-se a importância de se investir em educação como forma de prevenção e combate à violência. Em pleno século XXI, ninguém mais tem dúvida de que quanto mais um Estado investe em educação, menos é necessário gastar no combate à violência, isto porque países com ótimos níveis educacionais se apresentam como os mais seguros (claro que vão excluídos os casos de violência decorrentes de atos terroristas).
O Brasil vem, nos últimos anos, apresentando índices elevadíssimos de violência, o que está relacionado aos poucos investimentos em educação, ainda que o valor investido em 2016 - R$ 136 bilhões -, possa parecer elevado, continuamos carentes de programas educacionais capazes de elevar os índices de desempenho dos alunos da rede pública de ensino, principalmente no aprendizado do português e da matemática. Países com educação de base eficiente não precisam de muitos presídios e suas sociedades são mais seguras. As pessoas saem de casa com a legítima expectativa de que irão retornar. Não valorizar o professor dos níveis fundamental e médio da escola pública apenas serve para a manutenção de uma sociedade demasiado passiva, representada por políticos corruptos, e na qual pessoas são vítimas de uma onda de violência.
Professor universitário
 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia