Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 26 de julho de 2017. Atualizado às 13h43.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

venezuela

Alterada em 26/07 às 13h45min

Greve na Venezuela bloqueia principais vias de Caracas e Maduro minimiza protesto

A greve de 48 horas convocada por membros da oposição ao governo do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, começou nesta quarta-feira, com manifestantes bloqueando as principais vias da capital Caracas. O protesto promete ser um dos maiores no país até agora e acontece 4 dias antes das eleições para a Assembleia Constituinte promovida pelo governo de Maduro.
De acordo com o jornal El Universal, no sudeste de Caracas havia pouca gente nas ruas por volta do meio-dia. Na Rodovia Prados del Este, manifestantes fizeram barricadas para impedir a passagem de veículos. O cenário é diferente no litoral, onde a greve parece não ter surtido efeito.
Uma das centrais sindicais do país, a Confederación de Trabajadores de Venezuela (CTV) estima que a greve tenha sido cumprida em mais de 70%, e a tendência seria de crescimento, conforme divulgou o jornal Descifrado.
Por outro lado, o metrô de Caracas minimiza o impacto da greve e diz que está operando normalmente, com 100% do efetivo. Foram registrados tumultos em algumas estações e furto de cabos de fibra ótica. Pelo Twitter, Maduro reproduz imagens que mostram os serviços de transporte público normalizados, com grande fluxo de pessoas.
Mais tarde nesta quarta-feira, apoiadores de Maduro se concentrarão na avenida Bolívar, em Caracas, para finalizar a campanha pela constituinte. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia