Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 22 de julho de 2017. Atualizado às 16h19.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Relações Internacionais

22/07/2017 - 16h17min. Alterada em 22/07 às 16h21min

PT e PC do B assinam apoio a regime de Nicolás Maduro

Venezuela está em constante turbulência devido à pressão da oposição contra Maduro

Venezuela está em constante turbulência devido à pressão da oposição contra Maduro


FEDERICO PARRA/AFP/JC
Os três principais partidos de esquerda do Brasil - PT, PC do B e PDT - intensificaram o discurso em defesa do regime de Nicolás Maduro na Venezuela no momento que o país vizinho vive uma escalada de violência política que já deixou mais de 100 mortos desde abril, segundo o Ministério Público local.
Na quarta-feira passada, o PT e o PC do B subscreveram em Manágua, capital de Nicarágua, a resolução final do 23º Encontro do Foro de São Paulo, organização que reúne diversos partidos de esquerda da América Latina e do Caribe. O texto defende a elaboração de uma nova Constituição que amplia os poderes de Maduro, exalta o "triunfo das forças revolucionárias na Venezuela" e diz que a "Revolução Bolivariana é alvo de ataque do imperialismo e seus lacaios".
Presente ao encontro, a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), fez um discurso no qual afirmou que o partido manifesta "apoio e solidariedade" ao governo do PSUV, seus aliados e ao presidente Nicolás Maduro "frente à violenta ofensiva da direita contra o governo da Venezuela".
Os representantes brasileiros no Foro não fizeram menção ao ataque ao parlamento em julho promovido por militantes chavistas ou às denúncias de violência por parte do aparato militar oficial do Estado.
Em abril, um estudante de 20 anos foi morto com um tiro no pescoço enquanto participava de em um protesto na cidade de Valencia. Essa foi a segunda morte confirmada em protestos contra Maduro.
Para a oposição venezuelana, o presidente quer mudar a Constituição para ampliar seus poderes e isolar os adversários. "Nosso apoio ao Maduro é total. O Foro foi bem unificado em relação à Venezuela. Não houve omissão, porque a virulência do oposição está grande e conta com muito apoio externo", disse Ana Prestes, da Fundação Maurício Grabois e uma das representantes do PC do B. Procurada, Gleisi Hoffmann não quis se manifestar. Já o deputado Paulo Teixeira (PT-SP), que integra a direção nacional do partido, disse que a legenda "não corrobora com ações de violência estatal".
Em Manágua, petistas e comunistas também condenaram o ataque feito por oposicionistas à Corte Suprema venezuelana. Já o PDT não enviou representantes ao evento, mas alinhou o discurso. "Nós apoiamos a autonomia do povo venezuelano de decidir seu destino. Condenamos atos de violências, mas pontuamos que, no caso da violência, ela vem dos dois lados", disse Carlos Lupi, presidente nacional do PDT.
O evento na Nicarágua, que homenageou Fidel Castro, também produziu uma resolução de rechaço ao "golpe de Estado" no Brasil e apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Oficialmente, o Foro de São Paulo reúne sete partidos brasileiros inscritos: PT, PDT, PC do B, PCB, PPL, PSB e PPS. A maioria deles, porém, deixou de enviar representantes nos últimos anos. "Hoje apenas alguns membros antigos do diretório do PSB defendem o Foro. O regime de Maduro é uma loucura. A Constituinte que ele convocou é uma tentativa de Estado totalitário", afirmou o deputado Julio Delgado (PSB-MG).
Edmilson Costa, secretário-geral do PCB, disse que o partido tem críticas ao Foro, mas apoia "incondicionalmente o governo bolivarianista de Maduro". O deputado Ivan Valente, dirigente do PSOL, afirmou que o partido nunca participou do Foro, mas preferiu não opinar sobre o regime de Maduro.
O ex-ministro Roberto Freire, presidente do PPS, afirmou que estava no início do Foro de São Paulo, mas se afastou. "Era uma reunião na qual existiam partidos que tinham uma visão democrática bem acentuada tal como nós. Imaginava-se que aquilo iria ser uma organização pluralista. No momento em que passou a ser um instrumento de concepções antidemocráticas e totalitárias que resultaram nessa ditadura venezuelana, o partido se afastou", disse o presidente do partido.
O Foro foi fundado em 1990 pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pelo líder cubano Fidel Castro. O objetivo inicial era debater a nova conjuntura internacional pós-queda do Muro de Berlim. A primeira edição ocorreu na cidade de São Paulo, daí o nome dado ao encontro. Desde então, ocorre a cada um ou dois anos.
Para o professor de Relações Internacionais da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Oliver Stunkel, o Foro de São Paulo teve maior importância no primeiro mandato de Lula, a partir da atuação do então assessor especial para assuntos internacionais, Marco Aurélio Garcia. "Era uma plataforma importante para auxiliar os presidentes no momento em que a esquerda crescia na America Latina", disse.
Essa importância, segundo o professor, já não é a mesma porque os representantes dos países no Foro não têm mais ligação direta com os presidentes da República. No início do governo Lula, as esquerdas viviam um período de ascensão no continente. A influência do Foro era sentida nas negociações do Mercosul e até nas decisões econômicas do Brics (grupo de países emergentes).
Além do próprio Lula, o período teve governantes como Hugo Chávez (Venezuela), Evo Morales (Bolívia), Rafael Correa (Equador), Cristina Kirchner (Argentina), Fernando Lugo (Paraguai) e Manuel Zelaya (Honduras).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia