Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 17 de julho de 2017. Atualizado às 22h37.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

Notícia da edição impressa de 18/07/2017. Alterada em 17/07 às 21h23min

Após reclamação de empresas, governo emitirá 15 mil vistos adicionais

O Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos irá emitir 15 mil vistos adicionais a trabalhadores temporários, aumentando em quase 50% o número de estrangeiros capazes de trabalhar no país durante o verão no Hemisfério Norte. A decisão, anunciada ontem, responde às queixas de empresas e de membros do Congresso sobre uma queda significativa nos vistos H-2B, que deixaram hotéis, restaurantes e outras empresas com falta de funcionários em meio a uma demanda crescente durante o verão.
Funcionários do governo de Donald Trump afirmaram, no mês passado, que emitiriam mais vistos, mas não disseram quantos ou quando os pedidos seriam aceitos. Ontem, porém, as autoridades comentaram que os pedidos seriam aceitos a partir de amanhã e que 15 mil estariam disponíveis. Para se qualificar, os empregadores devem atestar que seus negócios provavelmente sofrerão "danos irreparáveis", definidos como perda financeira permanente e severa, sem os trabalhadores que têm vistos H-2B.
Enquanto alguns congressistas argumentam que seriam necessários ainda mais vistos, os funcionários do departamento disseram que o montante cobriria o número de empresas que atendem a esse critério. As companhias que procuram vistos adicionais podem esperar de 30 a 60 dias para que as petições sejam aprovadas. Essas autoridades incentivaram as empresas a buscarem "processamento premium" para seus pedidos, que custa cerca de US$ 1,2 mil, mas pode encurtar o tempo de espera para cerca de duas semanas.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia