Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 09 de julho de 2017. Atualizado às 16h10.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Oriente Médio

09/07/2017 - 16h10min. Alterada em 09/07 às 16h12min

Catar busca compensação por prejuízos de bloqueio de países árabes

O governo do Catar informou neste domingo (9) que está criando um comitê com o objetivo de buscar compensação pelos prejuízos decorrentes de seu isolamento da Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Egito e Bahrein. Entre os membros do comitê estão os ministros da Justiça e de Relações Exteriores do Catar.
No mês passado, os quatro países cortaram relações diplomáticas com o Catar e bloquearam os acessos ao país por terra, mar e pelo espaço aéreo. Entre as diversas justificativas para o bloqueio está o suposto apoio do Catar a extremistas. O país tem negado as acusações, classificando o ultimato do bloco como uma afronta à sua soberania.
O promotor de justiça do Catar Ali Al-Marri disse a repórteres em Doha que o comitê vai coordenar reivindicações feitas por companhias privadas, instituições públicas e cidadãos do país. Segundo Al-Marri, o grupo poderá usar tanto mecanismos nacionais como internacionais para obter compensação e deve contratar escritórios de advocacia internacionais para representar as causas. "Aqueles que provocaram estes danos devem pagar compensações a eles", disse o promotor.
O Kuwait tem tentado, sem sucesso, mediar a disputa. Na sexta, o bloco contra o Catar acusou o país de frustrar todos os esforços de resolver o problema, com a intenção de "continuar com sua política de desestabilizar a segurança na região". Mas Al-Marri insistiu que a decisão de buscar compensação pelos danos do bloqueio não tem relação com o estágio atual das negociações entre o país e os demais países árabes. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia