Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 28 de julho de 2017. Atualizado às 19h33.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Sistema Carcerário

28/07/2017 - 19h32min. Alterada em 28/07 às 19h33min

Justiça condena nove por escavar túnel para fuga de presos do Presídio Central

O túnel de 50 metros serviria para fuga de detentos e foi descoberto em Operação

O túnel de 50 metros serviria para fuga de detentos e foi descoberto em Operação


IMPRENSA POLÍCIA CIVIL/DIVULGAÇÃO/JC
A Justiça gaúcha condenou nove acusados de participar da construção de um túnel para fuga de presos da Cadeia Pública de Porto Alegre, antigo Presídio Central. A 1ª Vara Criminal da Capital acatou denúncia da Promotoria de Justiça Especializada no Combate aos Crimes de Lavagem de Dinheiro e Organização Criminosa do Ministério Público e condenou os réus por organização criminosa e promover ou facilitar fuga de presos.
O túnel de 50 metros para a fuga de detentos da Cadeia Pública de Porto Alegre (antigo Presídio Central) veio à tona em 22 de fevereiro, quando foi deflagrada a Operação Túnel Santo, pelo Departamento Estadual de Investigação do Narcotráfico (Denarc) da Polícia Civil. 
A única condenada a cumprir pena em regime fechado é Cíntia Santos de Paula, que recebeu cinco anos e nove meses de reclusão. Ezequiel Conceição (considerado o comandante do grupo) recebeu cinco anos e sete meses de prisão; Carlos Augusto Michaelsen, Daniel dos Santos Conceição, Dalvan Vargas Durante, Eliseu dos Santos, Josué Conceição, Odair José Haag e Oseias Rodrigo Flores deverão cumprir pena entre quatro anos e seis meses e quatro anos e 11 meses. Eles deverão cumprir a pena em regime semiaberto. O MP estuda a possibilidade de recorrer para o aumento das penas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia