Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 06 de julho de 2017. Atualizado às 23h59.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Educação

Notícia da edição impressa de 07/07/2017. Alterada em 06/07 às 20h51min

Novo Fies terá 310 mil vagas em 2018, sendo 100 mil com taxa de juro zero

Sob o argumento de que o atual modelo do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) é insustentável, o governo federal lançou, nesta quinta-feira, as novas regras do programa para 2018, com mais 310 mil vagas - sendo 100 mil delas com juro zero. Para o segundo semestre deste ano, com as regras atuais, são 75 mil.
Uma das novidades do novo modelo é a previsão de um desconto na renda do recém-formado, que será fixada em um limite de 10%. Esse limite, contudo, valerá apenas para o modelo de Fies público. A medida provisória que será enviada ao Congresso fará menção a um limite de 30%, estabelecido em lei para o crédito consignado. O teto de 10% para o financiamento estudantil será fixado por meio de uma portaria, que não depende de aprovação do Congresso. "Vai sair na MP 30%, mas isso é a trava de crédito consignado. A trava que será definida (para o Fies público) será um comprometimento em torno de 10% da renda, que é relativamente baixo", afirma secretário de acompanhamento econômico do Ministério da Fazenda, Mansueto Almeida. O desconto será feito antes de o salário chegar na conta do trabalhador, por meio do e-social.
Nas outras modalidades, os estudantes terão de negociar junto aos bancos o empréstimo. Na prática, pode ser um crédito consignado convencional, que tem o limite de 30%. Outra mudança proposta para 2018 é que o aluno saberá, já ao firmar o contrato, o valor total do empréstimo para pagar o Ensino Superior.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia