Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 06 de julho de 2017. Atualizado às 10h06.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Educação

06/07/2017 - 08h50min. Alterada em 06/07 às 10h08min

Governo deve anunciar o consignado para quitar o Fies

Mudanças devem prever desconto automático de até 10% no salário dos formados

Mudanças devem prever desconto automático de até 10% no salário dos formados


ROVENA ROSA/Agência Brasil/JC
No anúncio das novas regras do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), a serem anunciadas, na manhã desta quinta-feira (6), pelo presidente Michel Temer e o ministro da Educação, Mendonça Filho, estará o desconto automático do financiamento no salário do formado. Será uma espécie de consignado do Fies. 
A medida provisória fará menção à legislação que estabelece o limite de 30% para o crédito consignado. O grupo do governo que estuda as mudanças no Fies avalia, contudo, fixar um percentual de cerca de 10% para o desconto no salário no caso específico do financiamento estudantil. Essa é a taxa média adotada em outros países, segundo argumento de técnicos do governo. 
Esse percentual pode ser estabelecido em uma portaria que sairá após a divulgação da medida provisória do novo Fies. A ideia da equipe do presidente Michel Temer é deixar de fora da MP alguns pontos do novo Fies para ter maior flexibilidade e não depender da aprovação pelo Congresso Nacional. Segundo um integrante do governo que participa das discussões, a divulgação da informação de que o desconto no salário pode chegar a 30% nesta quarta-feira (5) causou uma repercussão ruim.
Além da possibilidade de criar um limite específico para o Fies, o governo também deve regulamentar, depois da medida provisória, o período que o recém-formado terá para conseguir um emprego. Passado esse período, serão acionadas as garantias, como fiador e fundo garantidor, para honrar a dívida. A expectativa é que esse prazo seja de alguns meses.
Outra mudança proposta para o ano que vem, como a Folha revelou em junho, é que o aluno saberá, já ao firmar o contrato, o valor total do empréstimo para pagar o ensino superior. Isso porque o contrato será para todo o período. Atualmente, o financiamento é renovado a cada semestre e segue o reajuste das mensalidades.
Com agência Folhapress.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia