Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 27 de julho de 2017. Atualizado às 00h03.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

Notícia da edição impressa de 27/07/2017. Alterada em 26/07 às 22h26min

Termelétrica de Uruguaiana irá gerar energia para a Argentina

Complexo de gás natural deve fornecer ao país vizinho por dois anos

Complexo de gás natural deve fornecer ao país vizinho por dois anos


/CRISTIANO GUERRA/DIVULGAÇÃO/JC
Sem produzir energia desde o começo de 2015, a termelétrica da AES Uruguaiana voltará a operar em breve. No entanto, diferentemente do habitual, o complexo que usa como combustível o gás natural enviará sua geração para a Argentina e não para o território brasileiro. Para isso, está sendo tratado um acerto entre o grupo AES e a YPF.
Segundo o deputado estadual Frederico Antunes (PP), será firmada uma espécie de arrendamento da usina entras as duas companhias. Antunes, que é o presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Retomada da Termo AES Uruguaiana, diz que a perspectiva é que o empreendimento volte a gerar energia até dezembro. Ontem, foi publicada no Diário Oficial da União uma portaria autorizando a importação, por parte da AES Uruguaiana, de gás natural da Argentina em um volume de até 2,8 milhões de metros cúbicos ao dia. A permissão tem validade por dois anos. O combustível poderá ser proveniente de jazidas próprias da nação vizinha ou de gás natural liquefeito (GNL) importado, que chega ao país pelo terminal de Bahía Blanca.
A AES informa "que essa autorização para importação de gás é uma das etapas finais para que o contrato com a YPF se torne vigente e coloca a usina disponível para receber gás proveniente da Argentina e gerar energia para aquele país, assim que a YPF decida iniciar seu despacho". Antunes enfatiza que nada impede que, futuramente, se necessário, a térmica volte a enviar energia para o Brasil. Porém, por enquanto, o País possui uma oferta de energia satisfatória para seu consumo atual, sem a necessidade de acionar a térmica gaúcha, que tem um custo de geração maior do que as hidrelétricas.
A AES Uruguaiana foi a primeira usina a operar com gás natural no Brasil. A geradora iniciou suas atividades em 2000 e tem capacidade instalada de 639 MW (o que corresponde a cerca de 15% da demanda média de eletricidade do Rio Grande do Sul). O deputado cita que a reativação da térmica gaúcha representará uma arrecadação superior a R$ 25 milhões para Uruguaiana (se a estrutura produzir energia por um ano inteiro).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia