Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 27 de julho de 2017. Atualizado às 00h03.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado de Capitais

Notícia da edição impressa de 27/07/2017. Alterada em 26/07 às 21h30min

Alocação de depósitos a prazo em fundos diminui no 1º semestre, afirma Economática

A alocação em depósitos a prazo de instituições financeiras recuou para 10% do patrimônio da indústria de fundos no fim do primeiro semestre, segundo levantamento feito da Economática. Em junho, esse volume financeiro totalizava R$ 355 bilhões, menor valor da amostra do levantamento, desde dezembro de 2015. O percentual de recursos alocados em depósitos a prazo no mês de dezembro de 2015 foi de R$ 404 bilhões, o que representava 14,6% do patrimônio total da indústria.
A gestora com maior posição em depósitos a prazo é o Itaú Unibanco, que no mês de junho destinou R$ 98,1 bilhões dos recursos dos seus fundos para estes instrumentos. Logo depois vem a BB DTVM, com R$ 55,3 bilhões, deslocando a Bram para a terceira posição com R$ 53,4 bilhões. Na quarta posição está a Caixa Econômica Federal, com R$ 33,2 bilhões, e na quinta posição o Santander, com R$ 32,6 bilhões.
A Bram é a gestora que registra a maior queda percentual de posição nesse tipo de instrumentos de dezembro de 2015 para junho de 2017, de R$ 84,6 bilhões para R$ 53,4 bilhões no período, baixa de 36,8%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia